União pelo Brasil: Um nascimento complicado

União pelo Brasil: Um nascimento complicado

Aprovado por unanimidade no PSL, o novo partido encontra resistência por parte do núcleo gaúcho do Dem

Taline Oppitz

Se aprovado, o novo partido, resultado da fusão entre Dem e o PSL, contaria com uma bancada de 81 deputados federais

publicidade

O Dem e o PSL aprovaram a fusão dos partidos em convenções realizadas hoje, em processo que, se for oficializado pela Justiça Eleitoral, resultará em uma das maiores agremiações e forças políticas do país. Chamado de União Brasil, o novo partido teria uma bancada de 81 deputados federais, a maior da Câmara, amplo tempo de rádio e TV e recursos significativos. A intenção é a de lançar candidatos ao Planalto e aos governos de pelo menos 10 estados em 2022.

O “canhão”, no entanto, já enfrenta dificuldades políticas e ideológicas no dia do nascimento. No Dem, a decisão foi tomada por aclamação, mas o ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, assim como toda a delegação gaúcha, votaram contra a fusão e o estatuto do novo partido. No PSL, a aprovação se deu por unanimidade. Segundo o presidente do Dem no Rio Grande do Sul, Rodrigo Lorenzoni, o que movimenta uma convenção é um propósito definido, o que não ocorreu. “Foi uma convenção gelada pois não há propósito claro de partido. Não há caminho, direcionamento definidos”, disse Lorenzoni à coluna. Segundo ele, há ainda a vedação de voto de senadores, deputados federais, estaduais e vereadores nas executivas. “Isto é uma negação do processo democrático. Nos preocupa porque tira do poder decisório os que têm mandato popular”, afirmou Lorenzoni.

No encontro, Onyx Lorenzoni apresentou requerimentos sobre qual será o caminho na sucessão presidencial: candidato próprio ou apoio a Jair Bolsonaro. As solicitações foram negadas com o argumento de que é cedo para tratar do tema. ACM Neto, no entanto, chegou inclusive a falar sobre uma aproximação com o pré-candidato do PDT ao Planalto, Ciro Gomes. Vice-presidente do Dem no Estado, Thiago Duarte disse que a posição sustentada em Brasília não representa todo o partido no Estado, que não foi consultado.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895