Santa Rosa tem dois pontos para descarte de lâmpadas

Santa Rosa tem dois pontos para descarte de lâmpadas

A empresa Foco fez questão de entrar na campanha e colocou um ponto de coleta dentro da loja do centro e também na unidade da Timbaúva

COLABORE

Além dos dois pontos na empresa Foco tem uma urna de coleta no mercado Stock Center

publicidade

Na hora do descarte, uma lâmpada fluorescente não pode ser colocada junto do lixo comum. O mercúrio liberado quando o objeto se rompe põe em risco a saúde da população e do meio ambiente, pois é um metal tóxico até em pequenas quantidades. Para organizar a coleta e destinação correta do material, desde 2017 a Associação Brasileira para a Gestão da Logística Reversa (Reciclus) instala pontos de descarte por todo o país. Em Santa Rosa, a população possui três opções.

A direção da empresa Foco fez questão de entrar na campanha e colocou um ponto de coleta dentro da loja do centro e também na unidade da Timbaúva. Desde abril desse ano, a Foco já recolheu mais de seis mil lâmpadas para reciclagem. Adilson Petri, da Foco destaca que toda a comunidade pode guardar as lâmpadas para fazer o descarte correto, “Pode descartar todo tipo de lâmpada, desde aquelas fluorescentes grandonas até as LED ou bolinha. É gratuito e está sempre disponível, e recolhemos também as quebradas, desde que sejam entregues em uma caixa de papelão”.

Após o recolhimento, as lâmpadas seguem para Santa Catarina, onde os componentes são separados e descontaminados. O vidro e pó fosfórico são utilizados na fabricação de cerâmica e azulejos, o plástico é revendido para segmentos industriais e os componentes metálicos vão para a indústria automotiva e de fundição. Caso a lâmpada não seja descartada corretamente, o mercúrio liberado pode poluir a água, solo e o ar. Caso seja ingerido direta ou indiretamente (através de animais contaminados), pode desenvolver toxidade nos rins, sistema nervoso e sistema cardiovascular. Em Santa Rosa também tem uma urna de coleta no mercado Stock Center.


publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895