Atlético-MG atropela o Athletico-PR e encaminha título da Copa do Brasil
patrocinado por

Atlético-MG atropela o Athletico-PR e encaminha título da Copa do Brasil

Galo aplicou 4 a 0 no Mineirão e poderá administrar na partida de volta

R7

Vargas foi destaque da partida

publicidade

O Atlético-MG atropelou o Athletico-PR, neste domingo, e conquistou uma grande vantagem no jogo de ida da final da Copa do Brasil. Sem sofrimento, o Galo fez 4 a 0 e exigirá uma missão quase impossível do Furacão para a partida de quarta-feira, no Paraná.

Hulk abriu o placar no início, de pênalti. Keno fez o segundo, em chute de fora da área, e Vargas marcou dois, que sacramentaram a vitória.

Veja Também

Como de costume, o Atlético-MG começou com muita intensidade e amassou o adversário no próprio campo. Por sua vez, o Athletico mostrou muito nervosismo e chegou a errar passes simples na saída de bola, na própria área. Essa postura se repetiria em praticamente toda a partida.

Aos 8 minutos, o Galo quase abriu o placar. Após falha de saída de bola do goleiro Santos, Diego Costa passou para Hulk, que cabeceou sem força para o gol aberto e permitiu o corte de Thiago Heleno. A intensidade da partida também se traduziu em cartões amarelos: os dois zagueiros do Furacão ficaram pendurados antes da primeira metade do primeiro tempo. O jogo dava todos os sinais de que seria brigado.

Aos 12, Diego Costa saiu, após pedir substituição. No lugar dele, entrou Vargas, que se consagraria na partida. Aos 20, o árbitro marcou pênalti para o Atlético após cruzamento de Zaracho tocar no braço de Léo Cittadini. Os jogadores do time paranaense não aceitaram bem a marcação e pressionaram o árbitro, que demorou cerca de dois minutos para autorizar a cobrança — e ainda deu cartão amarelo a Hulk por empurrar Nikão três vezes enquanto tentava colocar a bola na marca fatal.

O próprio Hulk cobrou forte no canto direito e abriu o placar no Mineirão. O 1 a 0 não mudou a postura dos dois times. O Galo continuou dominando a partida, enquanto o Furacão buscava alguma brecha ou jogada de velocidade, mas sem assustar.

O time mineiro ampliou não muito tempo depois. O Galo trocou passes tranquilamente e a bola sobrou para Keno, que chutou forte e rasteiro no canto esquerdo de Santos. 2 a 0, sem muito esforço, para o Atlético-MG. A melhor chance do Athlético no primeiro tempo foi uma cobrança de falta de Terans, no ângulo, mas bem defendida por Everson. Antes do fim do primeiro tempo, aos 49', Erick cabeceou sozinho um escanteio do Furacão, mas não conseguiu pegar em cheio para diminuir o placar.

O segundo tempo começou menos intenso, mas com o mesmo roteiro. O Galo propunha mais o jogo, mas agora se fechava para tentar ampliar o placar nos contra-ataques. Mesmo com mais campo para jogar, o Furacão não conseguia oferecer perigo ou dominar o meio-campo.

A estratégia do técnico Cuca deu certo, com jogadas rápidas pela esquerda que quase sempre pegavam a defesa adversária desprevenida. A aceleração ainda rendeu mais um cartão amarelo à zaga do Furacão.

Aos 10, o Atlético-MG mais uma vez colocou a bola na rede. O zagueiro Thiago Heleno errou na saída de bola, Hulk fez a parede, dominou e conseguiu chutar cruzado, Santos espalmou mal e a bola sobrou limpa para Vargas só empurrar.

O jogo continuou no mesmo ritmo e foi até natural quando a goleada se formou de vez, aos 24'. Jair tocou para Hulk, que tabelou com Nacho e passou para Vargas chutar e marcar o segundo dele na partida. A torcida mineira começou a gritar "É campeão!" assim que o placar se tornou goleada. Por sua vez, os torcedores do Furacão começaram a sair do Mineirão minutos antes do fim do confronto.

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895