Atlético-MG perde em casa para a Chapecoense e amplia crise

Atlético-MG perde em casa para a Chapecoense e amplia crise

Time catarinense fez 2 a 0 no Independência

AE

Em grande jornada, Chapecoense venceu o Atlético-MG em pleno Independência

publicidade

O Atlético-MG segue em queda livre no Campeonato Brasileiro. Após figurar na zona de classificação à Copa Libertadores durante boa parte do primeiro turno, o time não para de acumular tropeços e, nesta quarta-feira, perdeu para a vice-lanterna Chapecoense por 2 a 0, no estádio Independência, em duelo válido pela 29ª rodada. O resultado manteve o Atlético-MG com 35 pontos, seis acima da zona de rebaixamento, uma preocupação impensável para o clube no início da competição, mas que agora já começa a atemorizar os seus torcedores, especialmente pelo nível de atuações ruins. 

Nesta quarta, por exemplo, o time cometeu muitos erros na defesa, exibiu nervosismo e abusou de jogadas aéreas que foram pouco perigosas. Ainda recebeu muitas vaias dos seus torcedores, que também protestaram contra a gestão do presidente Sergio Sette Câmara. O recém-iniciado trabalho de Vagner Mancini também foi criticado, especialmente pela escalação de Ricardo Oliveira na vaga de Di Santo. E a insistência na improvisação do zagueiro Réver como volante também não funcionou, sendo abandonada no intervalo, quando o Atlético-MG já perdia por 1 a 0. 

Eficiente para aproveitar as oportunidades que teve, marcando um gol no início de cada tempo, e com a atuação decisiva de Tiepo, que defendeu um pênalti, a Chapecoense, que não vencia desde 18 de agosto, acumulava cinco empates e oito derrotas nos últimos 13 jogos. E agora conquistou o seu segundo triunfo como visitante no Brasileirão - o outro também havia sido no Independência, diante do Cruzeiro. Ainda assim, segue em situação complicada na briga contra o rebaixamento, pois acumula apenas 21 pontos, a nove do primeiro clube fora da zona da degola. O VAR também teve presença ativa na partida, sendo usado para marcar um pênalti para o Atlético-MG, desperdiçado por Di Santo, e para anular um gol de Igor Rabello, em lances ocorridos no segundo tempo. Os times voltarão a jogar no sábado pelo Brasileirão. O Atlético-MG será visitante contra o Fortaleza, no Castelão, enquanto a Chapecoense vai receber o São Paulo, na Arena Condá. 

O jogo 

A Chapecoense surpreendeu o Atlético-MG no começo da partida no Independência. Com uma postura ofensiva, criou chances de gol até abrir o placar aos cinco minutos, com Henrique Almeida, que cabeceou sozinho para as redes, após cobrança de escanteio. Foi o suficiente para o Atlético-MG se enervar e cometer erros, dando espaços para a Chapecoense, que teve até oportunidades para ampliar, em contra-ataques, com aos nove, quando Dalberto roubou a bola de Leonardo Silva e cruzou para Roberto, que bateu para fora. Enquanto isso, sem criatividade, o Atlético-MG não encontrava espaços na defesa da Chapecoense, embora ficasse por mais tempo com a posse de bola. 

Desorganizado, ainda sofria com as cobranças da torcida, direcionadas principalmente a Fábio Santos e a Mancini. Ainda assim, teve duas oportunidades de empatar o jogo, com Luan e Nathan, que acertou a trave. Para a etapa final, o Atlético-MG voltou com Cazares no lugar de Leonardo Silva. Esboçou uma pressão, mas voltou a ser vazado. Dessa vez, Camilo lançou na área, Dalberto ganhou disputa com Réver, saiu cara a cara com Cleiton e tocou para trás. Henrique Almeida finaliza forte em cima de Igor Rabello e a bola sobrou para Everaldo, que chutou para fazer 2 a 0 aos quatro minutos, marcando pela 11ª vez no Brasileirão. 

A resposta atleticana poderia ter vindo na sequencia, não fosse uma incrível chance perdida por Ricardo Oliveira, de cabeça, o que aumentou as cobranças da torcida sobre o centroavante, a principal novidade da escalação de Mancini, que logo depois o trocou por Di Santo. O argentino teria a chance de recolocar o Atlético-MG na partida aos 17 minutos, após a arbitragem marcar pênalti em Guga, depois de consulta ao VAR. Mas Di Santo parou na defesa de Tiepo. Desorganizado, tenso e sem confiança, o Atlético-MG buscou pressionar a Chapecoense, que se defendia bem. Mas só conseguia ser perigoso em jogadas aéreas. Em uma delas, até chegou a marcar com Igor Rabello, mas a arbitragem anulou o gol após consultar ao VAR por causa de um empurrão em Marcio Araújo. Não era, mais uma vez, o dia do Atlético.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895