"Brasil é um cemitério de jogadores e treinadores", revela Daniel Alves
patrocinado por

"Brasil é um cemitério de jogadores e treinadores", revela Daniel Alves

Resposta foi em relação ao trabalho do técnico Fernando Diniz à frente do São Paulo na última temporada

AE

Como lateral no São Paulo, Daniel Alves diz que as críticas sempre aparecem no Brasil

publicidade

Em sua segunda temporada de volta ao Brasil, desde que assumiu a camisa 10 do São Paulo, um sonho em sua carreira, Daniel Alves revelou, em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o seu descontentamento com a situação de desigualdade social no Brasil e com a queda de qualidade do futebol brasileiro, depois de 17 anos fora do País, dois temas que são caros ao jogador que acumula o maior número de títulos da história do futebol.

"O Brasil é um cemitério de treinadores e jogadores. Nosso sistema é baseado em manter as coisas sempre iguais. Quando você tenta algo diferente, as pessoas ficam contra você porque, se funcionar, mudará todo a lógica do sistema", desabafou o atleta de 37 anos em tom crítico ao status quo do futebol nacional.

A resposta foi em relação ao trabalho do técnico Fernando Diniz à frente do São Paulo na última temporada. Após diversas rodadas como líder do Campeonato Brasileiro, com um estilo de jogo muito particular e tendo Daniel Alves como capitão, a equipe da capital paulista sucumbiu aos adversários e caiu muito de rendimento, perdendo a oportunidade de voltar a vencer um título desde 2012.

"Diniz está à frente da maioria dos treinadores. Você pode dizer que ele não ganhou o título, mas não estou falando sobre isso. Eu estou falando sobre futebol. Para ser sincero, ele não é treinador do nosso país", disse o jogador à publicação britânica.

Agora com a gestão do time comandada pelo argentino Hernán Crespo, Daniel Alves voltou à lateral direita, posição que o consagrou no Barcelona e na seleção brasileira. Sobre ser meia ou lateral, ele disse que só tem como obsessão ter o melhor desempenho. "Eu posso jogar em qualquer posição. Eu atuei no Paris Saint-Germain como meia. Quando eu estava lá, Tuchel (então técnico da equipe francesa) me falou que o lado direito do campo era muito pequeno para mim porque todos os bons jogadores precisam ter a bola o tempo todo", afirmou.

Como lateral no São Paulo, Daniel Alves diz que as críticas sempre aparecem no Brasil, em comparação à época do seu auge, mas que basta olhar as estatísticas para saber que está tendo uma boa performance.

"No Brasil preciso ser lateral-direito porque fui o melhor do mundo na posição. Mas quando volto para a lateral é capaz de dizerem que estou velho. Mas basta olhar para as estatísticas. Estou me saindo bem. Quem trabalha comigo sabe o que posso fazer. Não sou uma criança que está começando agora. Minha mente diz apenas uma coisa: desempenho. Eu preciso jogar bem. Essa é minha obsessão", comentou.

Em seguida, o jogador emendou a chance de voltar à seleção brasileira, algo que não aconteceu nas escalações do técnico Tite nas primeiras rodadas das Eliminatórias. "A Copa do Mundo é um sonho do qual não vou desistir. Vou lutar para me manter num nível elevado e para ter esta última experiência com a minha seleção nacional. Este é o meu desafio. Não adianta apenas sonhar. Eu vou competir. Agora é hora de trabalhar e construir. O que me motiva é a competição e os meus sonhos. Enquanto eu estiver vivo, lutarei pelos meus sonhos", concluiu.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895