Campeão olímpico do salto com vara fica sem clube a um ano dos Jogos

Campeão olímpico do salto com vara fica sem clube a um ano dos Jogos

Medalhista de ouro no Rio, Thiago Braz teve seu contrato com o Pinheiros rescindido

Correio do Povo

Campeão olímpico está sem clube no momento

publicidade

A crise do coronavírus, que prejudica até os grandes do futebol, afeta em peso os esportes olímpicos. O principal clube de atletismo do Brasil, o Pinheiros, de São Paulo, rescindiu o contrato com um campeão olímpico, Thiago Braz. Vencedor da prova de salto com vara na última edição dos Jogos Olímpicos, no Rio, e já classificado para os de Tóquio, remarcados para 2021, o atleta ainda não se pronunciou sobre o fim da parceria.

Thiago Braz mora na Itália e no momento está em isolamento, junto com a esposa. Agora está também sem clube. Por enquanto, ele mantém a maioria dos seus patrocínios. O atleta surpreendeu o mundo ao saltar 6,03 metros no Rio, em 2016, ganhando a medalha de ouro e estabelecendo o recorde olímpico – o recorde mundial são os 6,18 metros do sueco Armand Duplantis.

A decisão do Pinheiros, confirmada em nota no fim de semana, foi motivada por questões financeiras, agravadas pela pandemia. O clube informou que vai pagar integralmente o mês de abril e a multa rescisória. Todos os funcionários e atletas do Pinheiros tiveram os salários reduzidos em 25%. A situação foi ainda mais drástica no basquete masculino - o time foi dissolvido.

Em Porto Alegre, a Sogipa também negociou redução salarial com seus atletas, não com um percentual fechado, mas proporcional. De forma geral, os maiores salários foram mais afetados, e os menores, preservados. Nenhum atleta foi demitido, ao menos por enquanto. O União não reduziu salários e também não fez nenhuma demissão ou rescisão. Os atletas de todos os clubes da Capital seguem sem treinar, porém, por decreto municipal.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895