Chapecoense vence o Avaí e mantém chances matemáticas de escapar da Série B

Chapecoense vence o Avaí e mantém chances matemáticas de escapar da Série B

Vitória por 1 a 0 veio em jogo fraco tecnicamente na Ressacada

Estadão Conteúdo

publicidade

Na luta para sobreviver na elite nacional após seis anos, a Chapecoense venceu o Avaí por 1 a 0, neste domingo à noite, no estádio da Ressacada, em Florianópolis (SC), pela 34ª rodada do Brasileirão. A situação é quase irreversível, mas com 28 pontos, em penúltimo lugar, o Índio Condá ainda não está matematicamente rebaixado. O Avaí, já rebaixado com apenas 18 pontos, atingiu a marca negativa de 22 derrotas.

O primeiro tempo foi muito fraco tecnicamente. O Avaí ainda começou em cima, tentando explorar as laterais do campo para chegar em condições de finalizar. Mas não acertou nenhum chute a gol. A Chapecoense também apresentou um repertório pobre, limitando-se apenas nos levantamentos na área para as cabeçadas de Everaldo.
Os times voltaram iguais para o segundo tempo, porém, com mais disposição. Ainda no primeiro minuto, Roberto aproveitou falha de Kunde para finalizar. Mas bateu com o pé ruim, o direito, e a bola foi para fora. Aos cinco minutos, numa dividida forte, Hiago acabou expulso. Ele levantou o pé de forma exagerada e deixou a sola na barriga de Matheus Barbosa, do Avaí.

O árbitro paulista Raphael Claus mostrou de primeira o cartão vermelho, o que gerou reclamações por parte dos visitantes. Na sequência, o técnico Marquinhos Santos tentou recompor a marcação colocando o zagueiro Maurício Ramos no lugar do meia Camilo. Este não gostou, fez cara feia, levantou os braços e reclamou com o técnico que também revidou verbalmente. O clima ficou tenso no banco da Chapecoense.

A chapa esquentou pelo lado do Avaí aos 12 minutos, quando o criticado Matheus Barbosa iria ser substituído por Luan Pereira quando fez gestos obscenos à torcida - levantou o dedo médio - e também recebeu o cartão vermelho direto. Cada time ficou com 10 jogadores em campo. Aos poucos, o Avaí diminuiu o ritmo e a Chapecoense se aproveitou disso. Aos 27 minutos, o goleiro Vladimir evitou o gol ao espalmar chute no alto de Everaldo. O atacante parecia mesmo ser a única esperança do time de Chapecó. Aos 31, ele marcou o gol da vitória, batendo de chapa o cruzamento vindo do lado esquerdo de Renato Kayser, que tinha acabado de entrar no lugar de Gustavo Campanharo.

Os poucos torcedores que foram ao estádio começaram a vaiar o time da casa, que, apesar da promessa de jogar pela honra, acumulou nove derrotas e um empate nos últimos dez jogos sob o comando do interino Evando Camillato. Mais vaias no apito final e muita festa pelo lado da rival Chapecoense, ainda vivo na competição, embora continue à espera de um milagre. Na próxima rodada, no meio de semana, o Avaí vai enfrentar o Corinthians, quarta-feira, em São Paulo. Na mesma noite, a Chapecoense vai receber o Botafogo, que ainda não confirmou sua presença na elite em 2020.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895