Cruzeiro perde para o CSA em casa e aumenta drama
capa

Cruzeiro perde para o CSA em casa e aumenta drama

Mineiros se revoltaram com pênalti perdido e derrota por 1 a 0, com jeito de Série B

Por
Estadão Conteúdo

Pedro Rocha perdeu grande chance de diminuir o prejuízo


publicidade

A má fase do Cruzeiro parece não ter fim e ganhou contornos trágicos nesta quinta-feira. Com direito a pênalti perdido por Thiago Neves e confusão nas arquibancadas, o time mineiro perdeu para o CSA, por 1 a 0, no Mineirão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira. No segundo tempo, o meia Thiago Neves chutou um pênalti para fora, perdendo a chance de ao menos ter evitado a derrota.

O sexto jogo sem vitória manteve o Cruzeiro na zona de rebaixamento, em 17º lugar, com 36 pontos, um a menos do que o Ceará. Já o CSA voltou a ganhar depois de cinco derrotas seguidas e vem logo atrás, na 18ª colocação, com 32, ainda mantendo vivo o sonho de escapar da Série B.

Como era de se esperar, o Cruzeiro começou a partida em cima do CSA buscando logo o primeiro gol. Aos 11 minutos, Fred fez boa jogada na linha de fundo e, mesmo sem ângulo, arriscou rasteiro. A bola foi em cima de Jordi. Na sequência, Thiago Neves bateu fraco de fora da área e facilitou a vida do goleiro adversário. Aos 29, Fred ajeitou de cabeça e Pedro Rocha bateu de primeira. A bola desviou na zaga e saiu por cima do travessão. Na sequência, Jordi recebeu o cartão amarelo pela demora na reposição da bola. A melhor oportunidade do jogo veio aos 36. Pedro Rocha tabelou com Fred e saiu na cara de Jordi. A bola passou raspando a trave.

O pesadelo cruzeirense aumentou aos 42 minutos. Rafinha cobrou escanteio e Ricardo Bueno cabeceou para grande defesa de Fábio. O rebote, porém, caiu nos pés do zagueiro Alan Costa, que só completou para as redes. O nervosismo bateu de vez nos jogadores cruzeirenses e também nos torcedores, que não economizaram nas vaias. Nos acréscimos, Ricardo Bueno arriscou de fora da área e mandou nas mãos de Fábio.

Na volta do intervalo, Abel Braga tirou Éderson e Fred para colocar Robinho e Joel, respectivamente. Logo no primeiro minuto do segundo tempo, Ezequiel desviou e Jordi espalmou para escanteio. O Cruzeiro abusava das bolas alçadas na área do CSA. Aos 11, Thiago Neves cobrou falta e o goleiro alagoano fez grande defesa, espalmando para escanteio. Cinco minutos depois, Pedro Rocha caiu dentro da área após dividida com Alan Costa. O árbitro mandou o lance seguir, mas voltou atrás depois de consultar o VAR.
Thiago Neves deslocou Jordi, só que mandou para fora, aumentando ainda mais o desespero cruzeirense. A partida ficou aberta. Aos 23, Robinho arriscou de fora da área e o goleiro espalmou.

O camisa 10 subiu depois de perder o pênalti e a cada toque na bola era vaiado pelos torcedores. Após cruzamento rasteiro, Sassá bateu de virada e Jordi fez outra boa defesa. Aos 31, Robinho cobrou falta, a bola desviou no meio do caminho e parou mais uma vez no camisa 1 alagoano. O nervosismo tomou conta de todo Mineirão. Nas arquibancadas, torcedores entraram em conflito com policiais. A partida ficou paralisada por alguns minutos devido aos sinalizadores acendidos. Apesar de ter a posse da bola, o Cruzeiro não conseguia passar pela marcação do CSA, que se defendia com quase todos os jogadores dentro da área.

Aos 43, Egídio cruzou e Sassá cabeceou para grande defesa de Jordi.
Nos acréscimos, o time mineiro levantou pelo menos cinco bolas para a área do CSA, mas não conseguiu sequer o gol de empate. Os zagueiros alagoanos ganharam todos os lances. Os jogadores mineiros desceram para os vestiários debaixo de uma chave de objetivos, que sobraram para os seguranças e policiais.


O Cruzeiro volta a campo só na próxima segunda-feira, contra o Vasco, às 20 horas, em São Januário, no Rio. No domingo, o CSA recebe o Bahia, às 18 horas, no Rei Pelé, em Maceió. Os jogos são válidos pela 36.ª rodada.