D'Alessandro vê futebol brasileiro à frente na América do Sul
patrocinado por

D'Alessandro vê futebol brasileiro à frente na América do Sul

Meia que fez história no Inter escala Abbondanzieri e Kléber em sua seleção de companheiros

Correio do Povo

Hoje no Nacional, D'Alessandro escalou sua seleção de ex-companheiros na carreira

publicidade

Personagem do futebol sul-americano, Andrés D'Alessandro está desbravando um novo “mercado”, o uruguaio, após começar na Argentina, passar pela Europa e fazer história no Brasil. Ao analisar o futebol nos três países, em entrevista à ESPN argentina, o meia disse que vê o futebol brasileiro à frente, principalmente em termos de estrutura.

“É o melhor futebol da América do Sul, o mais competitivo. A infraestrutura não deixa a desejar em relação a muitos clubes da Europa. Economicamente está muito bem e consegue trazer jogadores da Europa, o que é muito difícil. Quando você entra em campo, são 11 contra 11, mas no demais, o futebol brasileiro está à frente”, afirmou o meia argentino.

Na mesma entrevista, ele foi requisitado a escalar uma seleção com os melhores jogadores com os quais jogou ao longo da carreira. Não se fez de rogado e armou um time com esquema tático, treinador e tudo mais: Abbondanzieri; Hernán Díaz, Ayala, Gabi Milito e Kléber; Mascherano, Lucho González, Pablo Aimar e Pipi Romagnoli; Ortega e Bichi Fuertes. Isso num 4-1-3-2, comandado por Marcelo Bielsa. Dessa seleção, apenas dois foram companheiros dele em tempos de Inter, ambos no título da Libertadores de 2010: o goleiro Abbondanzieri e o lateral-esquerdo Kléber.

D'Ale fez muitos elogios a Bielsa e disse que quem mais se aproxima ao lendário técnico argentino é Marcelo Gallardo, treinador do River Plate. Ele não esconde que deseja ser treinador quando parar de jogar – acontecimento que ainda não tem data marcada. Prestes a completar 40 anos, no próximo dia 15 de abril, D'Ale se prepara para fazer sua estreia pelo Nacional, clube com o qual assinou contrato até o final do ano. Ele recentemente lançou sua autobiografia, "Cabezón".


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895