Delegado diz que Marcinho, do Botafogo, admitiu dirigir carro que atropelou casal
patrocinado por

Delegado diz que Marcinho, do Botafogo, admitiu dirigir carro que atropelou casal

Segundo Allan Luxardo, pai do lateral também confirmou que o filho conduzia o veículo no momento do acidente

R7

A polícia requisitou câmeras de segurança próximas ao local do crime para auxiliar as investigações

publicidade

O delegado Allan Luxardo, titular 42ª DP (Recreio), afirmou que o jogador Marcinho admitiu em depoimento, nesta segunda-feira, que dirigia o carro que atropelou um casal no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio de Janeiro.

O pai do ex-lateral do Botafogo, Sérgio de Oliveira, também foi ouvido na delegacia e confirmou que o filho conduzia o veículo no momento do acidente na última quarta-feira.

O professor universitário Alexandre Silva de Lima, de 44 anos, morreu na hora. Já a esposa dele está internada em estado grave em um hospital particular.

O delegado disse que, inicialmente, o caso é investigado como homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas que análises de provas testemunhais podem indicar dolo eventual. Além disso, a fuga do local será levada em consideração no inquérito policial.

"O principal é que hoje tivemos a certeza de que ele estava dirigindo. Ele admitiu, o pai dele admitiu. Então, acabou essa dúvida. Ele estava dirigindo o automóvel. A partir disso, nós já identificamos testemunhas, que vão ser ouvidas hoje e amanhã, para finalizarmos esse caso", afirmou Allan Luxardo.

A polícia requisitou câmeras de segurança próximas ao local do crime para auxiliar as investigações. 

Veja Também

O caso

O lateral Marcinho é suspeito de atropelar um casal na avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, no dia 30 de dezembro.

O jogador teria deixado o local sem prestar socorro e abandonado o carro com medo de ser linchado. O veículo foi rebocado para a garagem da casa do pai de Marcinho, onde foi encontrado pela polícia.

O professor universitário Alexandre Silva de Lima morreu na hora. O corpo foi enterrado no último sábado (1º) no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, zona oeste do Rio.

A esposa dele, Maria Cristina Soares, foi socorrida ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e passou por cirurgia. Ela foi transferida para um hospital particular e apresenta estado de saúde grave.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895