Dupla Gre-Nal defende isonomia do Brasileirão quanto à volta de público

Dupla Gre-Nal defende isonomia do Brasileirão quanto à volta de público

Grêmio e Inter entendem que decisão pelo retorno da torcida aos estádios cabe às autoridades sanitárias

Correio do Povo

Volta dos torcedores para as partidas foi autorizada pelo Ministério da Saúde

publicidade

A possibilidade de retorno das torcidas aos estádios no Brasileirão, motivo de reunião nesta quinta-feira na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), é motivo de cautela para os dirigentes da Dupla Gre-Nal, que entendem que a isonomia do campeonato deve ser preservada e a decisão pela autorização para volta dos torcedores cabe às autoridades sanitárias. 

Pelo lado do Grêmio, o presidente Romildo Bolzan Júnior foi enfático sobre a possibilidade do retorno. "O Grêmio entende que isto deve ocorrer somente com a autorização sanitária e a isonomia das praças", disse. 

O vice-presidente do Inter, Alexandre Chaves Barcellos, entende que não são os clubes os responsáveis por esta decisão. "A definição sobre a presença de público nos estádios passa pelos órgãos de Saúde. Não cabe aos clubes essa decisão. O que precisamos preservar é a isonomia do campeonato. Quando tivermos as condições necessárias dentro dos protocolos de segurança que se libere para todos clubes", explicou. 

Pelo lado das autoridades sanitárias, o governo do Rio Grande do Sul, afirmou nesta quinta-feira que não estuda o retorno das torcidas aos estádios gaúchos e, tampouco, a medida deve ser pauta do Comitê de Crise em uma perspectiva de curto prazo.

"No RS, não trabalhamos com a perspectiva de retorno com as torcidas nos estádios. Estamos conversando com promotores de evento e shows e, naturalmente, os protocolos para audiência em eventos podem vir a se desdobrarem nos estádios. Mas não vemos perspectivas em curto prazo de retorno das torcidas no Estado", afirmou o governador Eduardo Leite. 

No âmbito municipal, a Prefeitura de Porto Alegre tem entendimento semelhante com o estadual e também considera o debate "prematuro" neste momento. Segundo o Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus, apesar da estabilidade da curva de transmissão e da ocupação de leitos de UTI, a presença de 15 mil pessoas nos estádios da dupla Gre-Nal (30% da capacidade) não deve ser liberada como deseja a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 

A perspectiva de volta ao público aos estádios veio à tona após o Ministério da Saúde dar parecer favorável liberando o retorno dos torcedores às arquibancadas no mês de outubro. Pelo estudo do órgão governamental, há previsão de uso de até 30% da capacidade dos estádios no Brasileirão.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895