Em jogo de pouca emoção, Brusque e Chapecoense ficam no empate na Série B

Em jogo de pouca emoção, Brusque e Chapecoense ficam no empate na Série B

Partida acabou em 0 a 0

AE

publicidade

Em uma partida de baixo nível técnico e com pouca emoção, Brusque e Chapecoense ficaram no empate sem gols pela sexta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, na noite desta quinta-feira. O duelo aconteceu no estádio Augusto Bauer, em Brusque (SC).

O confronto colocou frente a frente o Brusque, que tinha vencido todos os seus jogos em casa, contra a Chapecoense, melhor visitante da Série B até agora. Fora de casa, venceu Novorizontino por 3 a 0 e Grêmio por 1 a 0. O empate não foi bom para ninguém, já que os dois times vinham de derrota: o Brusque, para a Ponte Preta (2 a 0), e a Chapecoense, para o Cruzeiro (1 a 0).

O Brusque é o nono colocado, com sete pontos, enquanto a Chapecoense tem nove, na quarta colocação, posição que o time deve perder até o final da rodada.

O Brusque volta a jogar pela Série B somente no dia 14 de maio, quando visita o Londrina, no estádio do Café, no norte do Paraná. A Chapecoense joga um dia antes contra o Sport na Arena Condá, em Chapecó. As duas partidas serão válidas pela sétima rodada.

Jogando em casa, o Brusque pressionou a Chapecoense desde o início da partida. Antes dos dez minutos, o goleiro Vágner já tinha evitado o gol de Luiz Antônio para o Brusque e Alex Sandro já tinha perdido outra oportunidade de abrir o marcador para o time da casa.

A Chapecoense chegou pela primeira vez aos 18 minutos, quando Orejuela arriscou de fora da área para a boa defesa de Ruan Carneiro. Após isso, a partida caiu de produção e a falta de técnica foi a tônica, com os dois times chegando pouco ao gol adversário.

Mas a Chapecoense voltou com outra postura do intervalo e aos cinco minutos chegou com perigo com Ronei, que parou na defesa do goleiro Ruan Carneiro.

Apesar do começo promissor, os dois times apresentaram pouco no segundo tempo. Até criaram chances, principalmente chegando pelas laterais, mas poucas oportunidades objetivas. No final, Claudinho teve a chance de dar a vitória para a Chapecoense, mas parou no goleiro Ruan Carneiro.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895