Em carta de despedida, Renato Portaluppi fala do amor pelo Grêmio e diz: "Até breve"

Em carta de despedida, Renato Portaluppi fala do amor pelo Grêmio e diz: "Até breve"

Treinador terminou comunicado destacando que o coração sempre estará no Tricolor

Correio do Povo

Renato lembrou que sempre torcerá pelo Grêmio, independente de onde estiver

publicidade

A assessoria de imprensa do técnico Renato Portaluppi divulgou nesta segunda-feira uma carta de despedida da terceira passagem do treinador pelo Grêmio. Nela, o maior ídolo do clube destaca o amor que tem pelo clube e encerra lembrando que em breve estará de volta.

“Quero terminar falando do coração desse clube. A torcida do Grêmio, em especial a Geral do Grêmio, é simplesmente apaixonante. Em momentos de pandemia, a maioria dos estádios está vazia. Mas não a Arena. Ali do lado de fora, mais precisamente na Esplanada, tem alguém que sempre vai encher esse estádio. Posso estar longe fisicamente, mas aquela Estátua, que tanto me orgulha, sou EU e vai estar sempre pulsando pelo Grêmio. Obrigado a todos e até breve!”, termina a carta.

Antes, Renato lembra desde o convite feito pelo telefone e que não deixou o Dr. Adalberto Preis, vice de futebol na época, acabar de falar para confirmar que “estava dentro”. O técnico tricampeão da América destaca ainda qque as conquistas que teve nestes 1.669 dias ou 4 anos, seis meses e 26 dias foram construídas com “homens”, que deram sangue pelo clube.

Fala sobre a alegria de ser o treinador com o maior número de jogos do Tricolor e agradece a todos que trabalharam em prol do Grêmio atingir as metas, como jogadores, pessoal de apoio do futebol, funcionários do CT e, em especial, os médicos.

Portaluppi ainda comenta sobre a alegria que teve no último sábado, quando os jogadores “invadiram” o seu quatro no hotel que serve de concentração para a delegação e de residência do treinador. “Ainda bem que o coração está em dia. Tive de expulsar eles depois da uma da manhã. E ainda queriam fazer churrasco para mim na segunda-feira. Mas aí não vou aguentar. Esse é o meu grupo!”

• Confira a carta na íntegra

 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895