Grêmio debate volta do público e vê em setembro momento ideal

Grêmio debate volta do público e vê em setembro momento ideal

Presidente Romildo Bolzan Júnior entende que até lá será possível que os estágios de vacinação estejam "uniformes" em todo o país

Correio do Povo

Conmebol autorizou a volta dos torcedores para os estádios

publicidade

A volta dos torcedores aos estádios em meio a pandemia da Covid-19 é motivo de debate entre os dirigentes dos clubes brasileiros. Conforme o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, esse assunto está em pauta no futebol nacional, e para ele, o mês de setembro é o momento ideal para a retomada. A posição é a mesma defendida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

"Quando uniformizar a vacinação no país inteiro, podemos trabalhar essa ideia para setembro. Isso já está sendo discutido. A Conmebol já fez a liberação. Esse assunto vai cair na pauta", explicou o mandatário gremista.

De acordo com Bolzan, nos casos de jogos de equipes brasileiras, os dirigentes acordaram um conceito em que a situação só pode ocorrer com reciprocidade. "Se jogar aqui com torcida, a situação precisa se repetir lá", exemplificou. No caso da Libertadores, uma competição organizada pela Conmebol, por exemplo, isso não aconteceu. Na ida na Argentina, Flamengo e Defensa y Justicia atuaram sem espectadores. Na volta, em Brasília, clubes e governo chegaram a um consenso e até 15 mil pessoas poderão acompanhar o duelo do estádio na próxima quarta-feira.

Nas esferas municipais e estaduais, a prefeitura de Porto Alegre entregou um protocolo para a retomada de eventos na cidade e ele está sendo analisado pelo governo do Rio Grande do Sul. Na Câmara dos Vereadores, um projeto que libera até 25% de público em eventos esportivos foi aprovado. 

No momento em que os gremistas voltarem a frequentar a Arena, a tendência é que os sócios que seguiram em dia com o clube sejam privilegiados. "Estamos prevendo algumas situações para os sócios que seguiram mesmo com a pandemia, homenagens que o clube vai prestar. Os bônus, preferência para ver no estádio, ainda iremos trabalhar melhor esse assunto. Esses associados serão extremamente beneficiados", garantiu.

Lei do mandante

Aprovada no Congresso Nacional, a lei do mandante, que permite aos clubes negociar suas partidas individualmente com quaisquer veículos de comunicação, sem acordo com o time visitante, neste momento, "não reflete absolutamente nada" no Grêmio, garante Romildo.

"Penso que todo debate que vem em torno dela é bom, mas para nós ela não reflete absolutamente nada. Para nós e para todos os clubes contratualizados, esses clubes tem que cumprir o contrato. Essa situação é uma coisa de futuro, é mais uma situação que teremos de ver para valer a partir de 2024".

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895