Jornalista pede a Justiça paraguaia a proibição da partida entre Grêmio e Independiente-EQU

Jornalista pede a Justiça paraguaia a proibição da partida entre Grêmio e Independiente-EQU

Marcos Velázquez alega que o jogo traz alto risco de novas infecções por Covid-19 para a população do Paraguai

Correio do Povo

Com os casos no Grêmio, Conmebol marcou o jogo contra o Independiente para o Defensores del Chacho

publicidade

O jornalista paraguaio Marcos Ricardo Velázquez pediu a Justiça do país que proíba o jogo entre Indepediente del Valle e Grêmio, marcado para sexta-feira, no estádio Defensores del Chacho, em Assunção. Entre os argumentos incluídos na petição apresentado ao Tribunal de San Lorenzo, o profissional da imprensa alega que o jogo traz alto risco de novas infecções por Covid-19 no país, além de violar vários artigos da constituição.

No pedido de medida cautelar de urgência, Velázquez destaca que a partida fere as leis de “Direito à vida” e ao “Direito à saúde” das pessoas. Ele critica ainda a conivência do governo do presidente Mário Abdo e seu gabinete de crise pelo silêncio em realização da partida, mesmo com o Grêmio tendo vários atletas testados positivos para a Covid-19.

“Para este governo, as quase cinco mil famílias de luto pelo Covid-19 não são suficientes para trazer de volta pessoas infectadas ou potencialmente infectadas até mesmo do Brasil, onde foi encontrada uma nova cepa de Covid-19, ainda mais letal do que a que já conhecemos, colocando em risco o aeroporto dirigentes, motoristas de ônibus, funcionários de hotéis e funcionários do estádio que ficarão desnecessariamente expostos uma vez que a partida de futebol não tem outro interesse ou benefício para o país além do interesse econômico que a Conmebol tem com seus patrocinadores ”, expressou Velázquez no pedido.

O jornalista destaca ainda que a população do país tem sofrido com condições terríveis no enfrentamento a Covid-19, “sem leitos de terapia, sem profissionais, sem suprimentos, sem medicamentos e, principalmente, sem vacinas”. Velázquez ressalta que o país passa o pior momento da pandemia com “um sistema de saúde público e privado em colapso com o maior índice de infecções desde que a pandemia começou há pouco mais de um ano”.

Justiça pede nomes e testes para todos que irão entrar no país

A Justiça intimou a Conmebol para que, em duas horas e meia, apresente os nomes e os testes da Covid-19 de todas as pessoas que irão entrar no país. A juíza Elsa Idoyaga alerta que o não cumprimento da decisão, a atitude será considerada desacato.

O jogo está marcado para as 19h15min de sexta-feira, em Assunção.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895