Mancini volta ao Grêmio notório por campanhas pressionadas no Brasileirão

Mancini volta ao Grêmio notório por campanhas pressionadas no Brasileirão

Treinador escapou de três rebaixamentos, mas viu cinco times afundarem à Série B

Correio do Povo

Em sua carreira, ele já salvou três clubes da Série B: Cruzeiro (2011), Vitória (2017) e o Corinthians (2020).

publicidade

A aposta do Grêmio para não ser rebaixado no Brasileirão 2021 é o técnico Vagner Mancini, de 54 anos, que deve ser oficializado nesta sexta-feira pelo Tricolor após comandar a reação do América Mineiro, na atual temporada nacional. Quando chegou ao Coelho na sexta rodada, o comandante encontrou um time em 19° lugar, com 2 pontos, e deixou a equipe em 11°, com 31 pontos. A recuperação no clube mineiro não é a unica de Mancini quando o assunto é Série A. Em sua carreira, ele já salvou três clubes do rebaixamento: Cruzeiro (2011), Vitória (2017) e o Corinthians (2020). 

No seu trabalho mais recente, no time paulista, o técnico assumiu a pressão da situação delicada em clube grande e o time na 17ª colocação, com 15 pontos em 15 rodadas. No final, a equipe encerrou a campanha na 12° colocação, com 51 pontos, e livre do fantasma do descenso antes mesmo do final da competição. 

No Vitória, em 2017, foram 22 jogos, com 8 vitórias, 7 empates e 7 derrotas, encerrando na 16° colocação. O Cruzeiro, hoje vivendo a Série B pelo segundo ano seguido, recorreu ao técnico Mancini em 2011, quando estava seriamente ameaçado da queda. Com 12 jogos por fazer, o treinador conseguiu escapar, venceu 3, empatou 5 e perdeu 4. A salvação definitiva veio na última rodada, com 6 a 1 sobre o rival Atlético Mineiro. 

Rebaixamentos também marcam trajetória 

Se tirou clubes do rebaixamento, Mancini também já viu sua capacidade de reação não se efetivar no Brasileirão. Foram os casos de Guarani (2010), Ceará (2011), Sport (2012), Botafogo (2014) e Vitória (2018). No Guarani e no Botafogo, Mancini esteve na casamata das equipes durante todas as 38 rodadas e amargou a 19ª colocação em 2014 e 18ª em 2010. Pelo clube carioca, teve 38 jogos, 9 vitórias, 7 empates e 22 derrotas. No Bugre, registrou 8 vitórias, 13 empates e 17 derrotas. Ambas campanhas consideradas decepcionantes. 

Quando comandou o Ceará, em 2011, o treinador deixou o cargo e o Vozão na 15°, na 23ª rodada, com histórico de 7 vitórias, 6 empates e 10 derrotas. Na mesma temporada, ele salvou o Cruzeiro da Série B. 

Em um de seus piores trabalhos na Série A, no Sport, em 2012, o novo treinador do Grêmio foi demitido quando o clube era o 16° na tabela, com aproveitamento de 3 vitórias, 5 empates e 8 derrotas. Na última vez que participou de um rebaixamento, o do Vitória, em 2018, Mancini acabou sendo desligado após 16 rodadas, com 5 vitórias, 3 empates e 8 derrotas. A equipe beirava o Z4, na 15ª colocação. 

Missão para salvar o Grêmio

Para evitar a queda gremista para a Série B, Mancini tem contra si o pouco tempo para trabalhar e a necessidade imediata de reação. Até aqui, com 26 rodadas disputadas (o Grêmio tem dois jogos a menos), o Tricolor não conseguiu deixar a zona de rebaixamento e venceu somente seis partidas - todas com o antecessor de Mancini, Felipão. 

Conforme projeções, levando em consideração o aproveitamento do Santos, a primeira equipe fora do Z4, para permanecer na Série A, o time gremista tem de vencer 7 dos seus próximos 14 jogos, somando ao final 44 pontos na 38ª rodada. Isso significa um aproveitamento de 50% e maior do que o clube teve ao longo de todo o campeonato até aqui.  

Dando início ao começo de sua nova trajetória em Porto Alegre, Mancini estreia contra o Juventude, na Arena, domingo, às 18h15min, em confronto direto para fugir do Z4. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895