Novos dirigentes do Grêmio pedem tranquilidade e apoio para tirar o Grêmio do Z4

Novos dirigentes do Grêmio pedem tranquilidade e apoio para tirar o Grêmio do Z4

Vice de futebol, Denis Abrahão, e diretor de futebol Sérgio Vazques, foram apresentados na manhã desta sexta-feira

Correio do Povo

Abrahão fica no cargo até o final do ano

publicidade

Os novos dirigentes do Grêmio apresentados na manhã desta sexta falaram do tamanho do desafio que têm pela frente para tirar o Grêmio da zona de rebaixamento do Brasileirão. Vice-presidente de futebol do Grêmio, Denis Abrahão, diretor de futebol Sérgio Vazques, pediram tranquilidade para achar soluções e apoio para os jogadores neste momento de turbulência e crise em que passa o clube gaúcho. 

"O desafio é grande. Graças a Deus é grande, porque eu sou movido a desafios", afirmou Abrahão. O Tricolor não sabe o que é vencer há seis rodadas. O último triunfo foi o 1 a 0  sobre o Flamengo, no dia 19 de setembro. De lá pra cá, dos 18 pontos em disputa, o Grêmio só conseguiu um: no empate diante do Cuiabá, na Arena, pela 24ª rodada, no dia 6.

"Eu não vou atrás de problemas, vou atrás de soluções", disse. "Se não tivéssemos problemas, nós não estaríamos aqui. Temos que ter a tranquilidade e a sabedoria para solucionar", completou. Calma que, em um primeiro momento, o recém contratado Vagner Mancini parece não dispor no ambiente gremista. Alvo de críticas em vários momentos, o elenco vive altos e baixos ao longo da temporada. Pelas redes sociais, torcedores reclamavam da insistência do ex-técnico Luiz Felipe Scolari em manter determinados atletas em campo.

"O nós pedimos agora é apoio aos jogadores. Nós (diretoria) somos passageiros. O torcedor tem que entender que, podem jogar bem ou jogar mal, o importante é ganhar", disse Sérgio Vazques. Para o diretor de futebol, não existe a "unanimidade" de um time ideal no momento atual do Grêmio. O jogador "mais preparado" é o que deve estar em campo, disse. "É evidente que os jogadores vão ter que dar algo mais. O 'sangue nos olhos', como o Denis (Abrahão) falou", destacou.

O mesmo ponto foi reforçado pelo vice de Futebol: "É uma questão de afinar conceitos. O grupo de jogadores do Grêmio é fantástico. Vão questionar a qualidade de A, B ou C? Vamos parar com essa bobagem. Unanimidade no futebol não existe. O que existe é o comprometimento do jogador com os objetivos do clube”.

Veja Também

Valorização da base

Em outro momento da coletiva, o diretor Sergio Vazques foi questionado sobre como seria o aproveitamento dos meninos da base nessa reta final do Brasileirão. Atualmente, o Tricolor utiliza Brenno, Vanderson, Rodrigues, mas também insiste em jogadores mais "cascudos" como Rafinha, Alisson e Diego Souza. "Existem vários momentos em que entra um jogador da base. Quando o time está bem, ele entra e fica à vontade. Nesse momento, tivemos uma mudança radical em todo o plantel. E quando o jogador da base entra, ele não vai resolver nos primeiro minutos de jogo”, explicou. 

Vazques lembrou de exemplos como Ronaldinho, que foi utilizado na campanha de 1998, mas despontou apenas no ano seguinte, e Everton Cebolinha, o caso mais recente."Qual o nosso papel?", questionou. " Dar tranquilidade para que eles (base) possam mostrar o que eles sabem fazer. Acho que todos precisam de mais confiança e essa confiança passa pelas vitórias", disse.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895