Proposta do Porto "seduz" Pepê, mas Romildo ressalta: "Tem que ter minha assinatura para sair"

Proposta do Porto "seduz" Pepê, mas Romildo ressalta: "Tem que ter minha assinatura para sair"

Clube português tem até o final da terça-feira para sacramentar a contratação e Tricolor promete resistir

Correio do Povo

Jogador despertou interesse do Porto de Portugal

publicidade

*Com informações do repórter Rafael Pfeiffer

O Grêmio promete resistir ao assédio do Porto, de Portugal, pelo atacante Pepê, de 24 anos e titular do time de Renato Portaluppi. A equipe de Portugal planeja um nova investida pelo jovem até o fechamento da janela de transferência europeia nesta terça-feira. A intenção dos portugueses é contar com ele já neste momento. A imprensa portuguesa fala em uma proposta de 20 milhões de euros, mas o Tricolor considera o atleta inegociável nesta temporada

Com uma proposta de salário três vezes maior do que em Porto Alegre, Pepê manifestou ao Grêmio o desejo de aceitar o convite. No entanto, a direção gremista conversou com o jogador, inclusive o técnico Renato Portaluppi, explicando ao atleta que para as pretensões deste ano ele é "fundamental". Contatado sobre o tema no final da tarde desta segunda-feira, o presidente Romildo Bolzan garantiu: "Tem que ter minha assinatura para ele sair". 

Substituto do atacante Everton Cebolinha no time titular do Grêmio, Pepê desperta o interesse do Porto, rival do Benfica, em Portugal, que comprou o ex-atacante gremista nesta janela de transferência. Cebolinha, inclusive, comentou a situação do ex-companheiro em coletiva na Granja Comary, no Rio de Janeiro, onde está para servir a Seleção Brasileira pelas Eliminatórias Sul-Americanas. 

"Tem que fazer escolhas baseado no que é melhor para você. Naquele momento, talvez eu não estivesse tão preparado quanto agora. Pepê já vinha nesse crescimento no Grêmio quando eu estava lá. A gente deseja sorte ao ex-companheiro, que possa continuar nessa pegada. Logo ele também estará nos gramados europeus. Que possa fazer a escolha certa, se não for agora ou se for, desejo toda sorte", afirmou.  

Veja Também

 

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895