Um raio-x de Carlos Sánchez, meia na mira do Grêmio para 2020
capa

Um raio-x de Carlos Sánchez, meia na mira do Grêmio para 2020

Decisivo no Santos, jogador também foi eleito rei da América no título da Libertadores do River Plate em 2015

Por
Correio do Povo

Meia uruguaio foi destaque na temporada 2019 do Santos, vice-campeão brasileiro

publicidade

O meia Carlos Sánchez está na mira do Grêmio para reforçar a equipe de Renato Portaluppi em 2020. E não é para menos: o uruguaio de 35 anos recém completados em dezembro fez grande temporada pela equipe do Santos. No entanto, não é de agora que o futebol do meia rápido, habilidoso e decisivo chama a atenção. Em outras temporadas, também foi protagonista por onde passou.

Sánchez iniciou a carreira jogando no Liverpool, de Montevidéu, sua cidade natal. Depois, transferiu-se para o Godoy Cruz, da Argentina. Em duas oportunidades, esteve no futebol mexicano. Em agosto de 2013, esteve no Puebla. Depois, ao deixar o River pela segunda vez, em dezembro de 2015, já depois da disputa do Mundial de Clubes, foi apresentado pelo Monterrey.

Títulos pelo River e Rei da América em 2015

No River, Sánchez foi eleito rei da América após título da Libertadores de 2015. Foto: River Plate / Conmebol / Divulgação

Apesar das passagens pelo futebol mexicano, foi no River Plate que conquistou alguns dos grandes resultados individuais e coletivos de sua carreira. Na campanha do título da Sul-Americana de 2014, marcou apenas um gol e foi ofuscado pela grande temporada de Rodrigo Mora, autor de quatro gols e artilheiro dos "Millionarios" na competição.

Na Libertadores do ano seguinte, no entanto, seria protagonista. Em uma primeira fase apagada de todo o time, que quase culminou com uma eliminação precoce, marcou de voleio no importante empate em 1 a 1 contra o Tigres, e foi decisivo no segundo confronto contra os mexicanos, começando a jogada do gol de empate no 2 a 2 que evitou eliminação na fase de grupos.

Mas é na fase final que Sánchez brilhou. Marcou de pênalti contra o Boca no jogo de ida das oitavas de final, e fez bom primeiro tempo na partida de volta, encerrado no intervalo por conta dos incidentes com gás de pimenta. Na vitória por 3 a 0 sobre o Tigres em um Monumental de Nuñez lotado, marcou o segundo gol, também de pênalti.

Na temporada 2015, com a camisa do River, disputou 56 jogos, marcando 17 gols no ano, nos mais de 4,6 mil minutos que permaneceu em campo. Não à toa, levou o prêmio de Rei da América, concedido ao melhor jogador do continente, no ano de 2015.  

Destaque do Santos de Sampaoli

Jogador fez grande temporada e é considerado ídolo na Vila Belmiro. Foto: Ivan Storti / Santos FC / Divulgação

Com boas credenciais, chegou ao Santos em julho de 2018 vindo do futebol mexicano com um currículo invejável: além dos títulos pelo River, havia disputado a Copa do Mundo da Rússia pela seleção uruguaia. No entanto, fez ano discreto: em 17 jogos, marcou apenas quatro vezes.

Foi com Jorge Sampaoli e o Santos de 2019 que Sánchez brilhou com a camisa do Peixe, com atuações que o alçaram a postulante a ídolo na Vila Belmiro, e a recordes importantes. O meia marcou 19 gols em 57 jogos, pelo Brasileirão, Copa do Brasil e Campeonato Paulista.

Sánchez se destacou no Campeonato Brasileiro, onde marcou 12 de seus gols, inclusive dois na vitória por 4 a 0 sobre o Flamengo, na 38ª rodada. Com Soteldo, Marinho e Sasha, levou o Santos ao vice-campeonato. Esteve em campo em 57 partidas na temporada, com mais de 4,2 mil minutos atuando.

No Santos, o uruguaio ainda quebrou uma marca de quase 80 anos, ao ser o primeiro estrangeiro a terminar o ano como artilheiro da temporada desde 1940. Ao chegar aos 23 gols marcados com a camisa alvinegra, também se tornou o segundo maior artilheiro estrangeiro da história do clube, atrás apenas de Copete, com 26.

Carlos Sánchez

35 anos

Meia

Data de nascimento: 02/12/1984

Nacionalidade: uruguaio

Clubes: Liverpool (URU), Godoy Cruz (ARG), River Plate (ARG), Puebla (MEX), Monterrey (MEX) e Santos

Títulos por clubes: Sul-Americana, Recopa, Libertadores e Suruga (River Plate) e Campeonato Mexicano (Monterrey)

Títulos individuais: Rei da América (2015)

Os números

Por clubes

488 jogos
91 gols

Pela seleção

38 jogos
1 gol