Vacilo contra o Fluminense vira lição no Grêmio para a Libertadores

Vacilo contra o Fluminense vira lição no Grêmio para a Libertadores

Renato Portaluppi destacou que time precisa conter seus erros e desatenções

Correio do Povo

Jean Pyerre até marcou gol, mas não foi o suficiente para impedir virada do Fluminense

publicidade

A derrota de virada, por 5 a 4, para o Fluminense, no domingo, irritou torcedores e levantou questionamentos sobre a partida decisiva de quarta-feira contra a Universidad Católica, na Arena, a partir das 19h15min. O técnico Renato Portaluppi defendeu que o mau desempenho no Brasileirão e o revés no final de semana não o preocupam, mas admitiu que a equipe tem que manter o nível de atenção e empenho elevados. "O Grêmio depende de si próprio", advertiu o treinador, comentando que isso inclui controlar os próprios erros e desatenções.

“Que sirva de lição (o revés para os cariocas, ontem). Nós geralmente não damos esses moles. Mas não é um balde de água fria ou algo que preocupe, conheço muito bem o meu grupo e sei da qualidade dele. Temos a vantagem do empate, mas o que eu vou trabalhar bastante é que esse mole que estamos dando, não podemos dar na quarta-feira ou na Copa do Brasil porque é mata-mata, é matar ou morrer”, comentou.

Ao projetar o duelo sem Diego Tardelli, que sentiu uma lesão na partida contra o Avaí e será reavaliado nesta segunda, o comandante gremista afirmou que o foco deve ser total contra a Universidad Católica. "Temos que estar concentrados nos 90 minutos e não em 30 ou 40. Daí pode ter certeza que a história vai ser outra. No mais, está tudo bem. Eu sei onde erramos e vou conversar com o meu time sobre isso", garantiu o treinador, que acredita que o Tricolor dará uma resposta imediata nos próximos compromissos.  

O treinador lembrou o início ruim da Libertadores, da seguinte recuperação e considerou que muitas falhas já foram cometidas. “O trabalho está sendo muito bem feito em todos os sentidos, a questão é que vamos conversar para não errar. Quando você dá mole no futebol, o adversário não perdoa”, enfatizou. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895