Gre-Nal com confusão e várias expulsões termina em empate na Arena
capa

Gre-Nal com confusão e várias expulsões termina em empate na Arena

Colorado joga melhor, coloca duas vezes a bola no poste de Vanderlei, e Grêmio ainda vê Luciano perder gol incrível no fim do jogo

Por
Correio do Povo

Confronto no final da partida fez cada time terminar com oito homens em campo


publicidade

Há clássicos e clássicos, o Gre-Nal histórico da Libertadores foi um jogo cheio de alternativas, marcado pela sombra do coronavírus, mas também teve confusão e um final melancólico com oito jogadores de cada lado. No fim, o zero a zero ficou a cargo das traves, já que ambos os times viram oportunidades barradas por ela. O resultado também manteve Inter e Grêmio na liderança do grupo, com quatro pontos, à frente do lanterna Universidad Católica e do América de Cali, que agora tem três.

Este era, por si só, um Gre-Nal diferente, e era possível sentir isso na atmosfera ao ver a Arena com mais de 53 mil torcedores. Histórico, por ser o primeiro realizado em mais de 60 anos de Libertadores. Depois, pela circunstância atípica fora de campo. O coronavírus, que começou do outro lado do mundo, chegou à América do Sul e está adiando o futebol no continente.

Em um dos últimos jogos pela Libertadores antes da paralisação, quis o destino que o personagem não estivesse entre os 22 jogadores que iniciaram a partida, ou aqueles que, até aclamados ao entrar, pudessem fazer algo diferente. O Inter parou duas vezes no pé da trave esquerda de Vanderlei. O Grêmio, esbarrou no travessão com Lucas Silva e com Pepê.

Como a terceira rodada da competição está adiada. Pelo Campeonato Gaúcho, o Grêmio volta a campo no domingo, às 11h, para enfrentar o São Luiz, na Arena. Já o Inter tem jogo marcado contra o São José, no Passo D'Areia, domingo, às 19h.


Gre-Nal das Américas também foi o do medo do coronavírus | Foto: Ricardo Giusti

Inter faz primeiro tempo melhor na Arena

Não houve surpresas de parte a parte no primeiro clássico Gre-Nal pela Libertadores. Tanto Renato Portaluppi quanto Eduardo Coudet foram coerentes e optaram pela manutenção de seus sistemas. Renato mandou a campo a equipe com três volantes, sem Kannemann, machucado. David Braz substituiu o argentino. No Inter, a manutenção de Rodinei e Thiago Galhardo, que já havia feito bom jogo contra a Universidad Católica. Saravia e D'Alessandro ficaram no banco.

O clima começou muito quente no clássico. Antes dos 10 minutos, duas confusões já haviam sido formadas, mostrando as credenciais do Gre-Nal para a Libertadores, tão acostumada a jogos tensos e nervosos. Primeiro, uma falta de Edenílson em Everton iniciou a confusão. Depois, foi a vez de Matheus Henrique e Bruno Fuchs se desentenderem.

A melhor chance do Grêmio saiu na bola parada. Aos 11 minutos, após cobrança de escanteio pelo lado direito de ataque, Diego Souza subiu mais alto que a zaga do Inter e cabeceou forte, para baixo, obrigando Marcelo Lomba a fazer uma grande defesa no chão, tirando lamentos da Arena lotada pela única vez nos 45 minutos iniciais. Melhor no jogo e com mais posse de bola em boa parte da etapa inicial, foi o time de Eduardo Coudet quem criou as melhores chances na partida. A primeira delas foi aos 32 minutos da primeira etapa. Guerrero recebeu de costas, girou sobre Geromel e achou Boschilia, que ganhou em velocidade e invadiu a área. O meia tentou encobrir Vanderlei, mas não teve sucesso.


Gre-Nal acabou 0 a 0 | Foto: Ricardo Giusti 
 

A torcida do Grêmio sentiu o momento ruim de sua equipe. Até então mais calada, soltou a voz e tentou empurrar a equipe com cânticos de apoio. Ainda assim, o time de Renato Portaluppi sentia falta de um armador. Com três volantes, não havia um jogador para pensar o jogo e, assim, o meio campo pouco progredia com a bola. Everton, apagado, também não conseguiu contribuir pelo lado esquerdo.

A última boa chance do primeiro foi aos 43 do primeiro tempo. Em contra-ataque rápido após escanteio do Grêmio, Boschilia recebeu em profundidade o passe de Marcos Guilherme, que disparou pela esquerda após soltar a bola. Ele optou por carregar e, ao não fazer o passe, acabou desarmado pela defesa do Grêmio. Com atuação segura especialmente de David Braz, Tricolor levou um 0 a 0 ao intervalo.

Jean Pyerre entra e melhora o Grêmio

Para a etapa final, o Inter trocou. Também pelo cartão amarelo, Eduardo Coudet sacou o lateral Uendel e mandou a campo Moisés. Pelo lado do Grêmio, mesmo com a atuação ruim do setor de meio campo, Renato optou por voltar com o mesmo time que terminou a etapa inicial.

A mudança do Grêmio viria só aos 8 minutos, mas ao mesmo tempo seria responsável por grande euforia na Arena. Maicon caiu, sentindo, após jogada de ataque colorada. No mesmo momento, Renato olhou à sua direita no reservado e chamou Jean Pyerre. Ao arrancar da área destinada ao aquecimento, já tirando o colete, levou a torcida Tricolor ao delírio, com muitos aplausos.

Com fôlego novo em campo, o Grêmio encontrou seu escape, ainda que Jean Pyerre tenha tido dificuldade nos primeiros minutos. Ao pegar a bola, em mais de uma vez abriu os braços, pedindo movimentação aos companheiros, para que a equipe pudesse buscar alternativas de jogadas.

E se a Arena veio junto com o Grêmio na entrada de Jean Pyerre, o incentivo voltou a crescer aos 16 minutos, quando Renato chamou Pepê para entrar. O atacante de velocidade entrou no lugar de Alisson, que novamente ficou abaixo da expectativa. Sumido pelo lado direito, pouco produziu ofensivamente.

Apesar de melhorar no jogo, foi o Grêmio quem levou grande susto aos 23 minutos. Após tentativa de passe de Geromel no campo de defesa, o Inter pressionou e roubou a bola. Edenílson levou até a entrada da área, limpou para dentro e bateu forte de perna direita, em uma bola que tocou no pé da trave esquerda defendida por Vanderlei, quase colocando o Inter em vantagem.

A resposta do Grêmio veio com Pepê, que quase marcou um golaço na Arena. Ele recebeu e arrancou primeiro pela direita, levando a marcação. Trouxe a bola para o meio, passou diante da marcação e invadiu a área pelo lado esquerdo. Cara a cara com Lomba, ele bateu para defesa do goleiro do Inter. O Colorado voltaria a botar bola na trave com Boschilia. Ele tabelou com Guerrero e recebeu a bola livre, na frente de Vanderlei. O chute forte e rasteiro do meia parou na trave. 

Já nos minutos finais, o que era uma lateral boba para o Grêmio virou briga generalizada, com dois capítulos e quatro expulsões para cada lado. Dentro de campo, Caio Henrique, Luciano e Pepê levaram vermelho pelo Grêmio; Cuesta, Edenilson e Moisés pelo Inter. Entre os reservas, Praxedes e Paulo Miranda foram expulsos.

A bola voltou a rolar após 12 minutos e, aí, o Grêmio é que quase surpreendeu nos momentos derradeiros. Victor Ferraz fez grande jogada e rolou na entrada da área para Lucas Silva. O volante enfiou o pé com vontade e a bola ia entrar para um golaço. Marcelo Lomba desviou com a ponta dos dedos e o travessão fez a bola seguir em escanteio, mantendo o empate sem gols.


Resultado deixa os dois times com quatro pontos no Grupo E da Libertadoes | Foto: Mauro Schaefer

Libertadores 2020 - Grupo E

Grêmio 0
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Geromel e Caio Henrique; Maicon (Jean Pyerre), Matheus Henrique, Lucas Silva, Alisson (Pepê) e Everton; Diego Souza. Técnico: Renato Portaluppi

Inter 0
Marcelo Lomba; Rodinei, Cuesta, Fuchs e Uendel (Moisés); Musto, Boschilia, Edenílson e Marcos Guilherme; Thiago Galhardo (D'Alessandro) e Guerrero. Técnico: Eduardo Coudet

Cartões amarelos: David Braz e Lucas Silva (Grêmio); Marcos Guilherme, Musto e Uendel (Inter)


Cartões vermelhos: Caio Henrique, Luciano e Pepê; Edenilson; Moisés e Cuesta.
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Arbitragem: Fernando Rapallini (ARG)