Acordo entre atletas e direção do Inter minimiza, momentaneamente, os impactos da Covid-19

Acordo entre atletas e direção do Inter minimiza, momentaneamente, os impactos da Covid-19

Acerto não diminui os problemas financeiros do clube, mas os prorroga para 2021

Correio do Povo

Inter tem concentrado esforços para estancar a crise causada pela pandemia

publicidade

Os dirigentes do Inter cumpriram a promessa e não revelaram o teor do acordo proposto aos jogadores para minimizar os efeitos econômicos da paralisação do futebol. O clube resumiu-se a emitir uma nota agradecendo a compreensão do grupo e confirmando o acerto, que é esperado há pelo menos duas semanas. Porém, na realidade, conforme apurou o Correio do Povo, o acerto não diminui os problemas financeiros do clube. Apenas os prorroga para 2021.

Os dirigentes nunca duvidaram que haveria um acordo. Alguns jogadores, inclusive, já haviam se pronunciado publicamente a favor de um acerto. Porém, na realidade, o elenco de jogadores não abriu mão dos valores que teria, e ainda tem, direito a receber sem a pandemia. Apenas aceitou que o clube fizesse o pagamento de parte dos vencimentos, os relativos aos direitos de imagem dos três meses mais críticos da pandemia, em 2021. Ou seja, o Inter não deixará de pagar. Ganhou um prazo extra. E só.

No comunicado, distribuído à imprensa ontem, o Inter afirmou que, “em comum acordo com o grupo de jogadores e atendendo às perspectivas negativas de impacto financeiro devido à pandemia mundial, realizou as adequações necessárias no período de interrupção das atividades e competições.

Entendendo as dificuldades da entidade, os profissionais se mostraram dispostos e compreensivos para realizarem as repactuações”. Em seguida, confirmando o que já dissera o presidente Marcelo Medeiros em entrevista ao CP na semana passada, enfatizou que os termos do acerto não seriam tornados públicos.

Inter e Grêmio têm acordos idênticos

O acerto do Inter é idêntico ao proposto pelo Grêmio aos seus atletas – já aceito, diga-se, há três semanas. Mas muito diferente de outros clubes do futebol mundial. No Barcelona, que é uma das agremiações mais pujantes do futebol europeu, os jogadores aceitaram uma redução salarial de 70% durante a pandemia. O acordo foi celebrado ainda em março e confirmado por dirigentes e jogadores.

O Bayern de Munique, outro gigante do futebol mundial, fez acordo semelhante com seus atletas. Na Itália, essa tendência também se deu em vários clubes. A prorrogação do pagamento dos direitos de imagem para os jogadores faz parte de um plano elaborado para minimizar os efeitos da paralisação do futebol, que, segundo cálculos dos técnicos da área financeira do clube, deixarão como efeito uma redução de cerca de R$ 100 milhões nas receitas coloradas para 2020.

Além do acerto com o grupo, o Inter também renegocia com fornecedores e bancos a prorrogação de seus débitos. A ideia é reduzir as despesas totais de todo o ano em cerca de 30%. Nenhuma área do clube vai escapar do corte nas despesas.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895