capa

Affatato promete recorrer de expulsão do quadro social do Inter

Ex-dirigente e Vitorio Piffero foram excluídos do clube em decisão da comissão de ética do Conselho Deliberativo

Por
Correio do Povo

Affatato e Piffero foram expulsos do quadro social do Inter pela comissão de ética

publicidade

Um dia depois de ser expulso do quadro social do Inter pela comissão de ética do Conselho Deliberativo, o ex-vice-presidente de Finanças do Inter Pedro Affatato afirmou nesta terça-feira que irá recorrer da decisão. Ele atendeu a reportagem durante a manhã de hoje para falar sobre o assunto. "Nós vamos recorrer da expulsão com toda a certeza", garantiu. 

• Leia mais sobre o caso 

Questionado sobre o processo que descreve a sua suposta participação em gestão temerária no Inter durante os anos de 2015 e 2016, Affatato não quis falar sobre o assunto. "Eu estou orientado a não dar declarações sobre isso. Não posso falar sobre o que vai ser feito ou qualquer estratégia defesa", resumiu.   

A reportagem tentou contato com o ex-presidente Vitorio Piffero, mas não obteve retorno. Piffero e Affatato têm 15 dias para apresentar o recurso. No Conselho, será escolhido novo relator e, depois de todos os prazos, um novo julgamento ocorrerá no plenário.

Votação 

Além de Piffero e Affatato, foram citados Alexandre Limeira e Emídio Marques, mas eles deixaram o clube por espontânea vontade e por isso não passaram pelo julgamento. O voto do relator e presidente da comissão Constantino Lisbôa Azevedo, que tinha 80 páginas, durou cerca de 2h40min. Vitorio Piffero foi representado por dois advogados que fizeram a defesa do ex-presidente. Affatato não exerceu o direito de defesa na ocasião. 

Além de Azevedo, votaram Felipe Floriani Becker, Lino Kieling, Miguel de Sampaio Dagnino, Ramiro Davis e Thiago Neibert. O sétimo integrante, Rodrigo Navarro, se disse impedido de participar, pois tem um processo contra um dos dois ex-dirigentes.

O estatuto do Inter não prevê um tempo que eles deverão ficar fora do quadro social, mas a Lei do Profut prevê um afastamento de 10 anos. As regras do clube deverão ser alteradas em 2019 e é desejo da maioria dos grupos políticos acrescentar o período de expulsão, fato que até hoje nunca havia ocorrido no Colorado. Um sócio comum que deixa o quadro social fica impedido de voltar durante um ano.