Alexander Medina é o novo técnico do Inter
patrocinado por

Alexander Medina é o novo técnico do Inter

Anúncio foi feito no início da noite desta segunda-feira

Arthur Ruschel e Nicholas Lyra

O uruguaio de 43 anos era visto como o sucessor de Marcelo Gallardo no comando do River Plate

publicidade

Alexander  “Cacique” Medina é o novo treinador do Inter. O clube fez o anúncio oficial no início da noite desta segunda-feira. O novo comandante da casamata colorada assinou contrato por um ano e tem a missão de comandar o elenco nas disputas do Gauchão, Copa do Brasil, Sul-Americana e Brasileirão. "Estou muito feliz pelo desafio. Um grande 2022", afirmou o técnico em vídeo publicado nas redes sociais do clube. 

Ao comunicar o acerto com o uruguaio, o Colorado destacou, além do desempenho técnico e seus resultados no Talleres, a capacidade de trabalhar com jovens e render bons frutos financeiros. "Além do crescimento nos resultados, o Talleres fez três das suas maiores vendas na história com as negociações do atacante Nahuel Bustos, do meio-campista Federico Navarro e do defensor Piero Hincapié, jovens oriundos da base aproveitados por Medina e que renderam bons frutos". A direção destacou o fato de Medina ter sido cobiçado por outros clubes e o Inter ter vencido a "concorrência".

O anúncio marca o fim de uma novela envolvendo o treinador e os dirigentes colorados. Ao longo da semana, o Inter acompanhou atento os desdobramentos das tratativas entre Medina e o Talleres, de Córdoba, agora seu ex-clube. A equipe argentina ofereceu um salário que seria o segundo mais bem pago do futebol do país, somente atrás de Marcelo Gallardo, do River Plate. No entanto, Medina demorou em responder às tratativas, o que irritou o presidente Andrés Fassi. Cacique já tinha a proposta do Inter, faltava apenas a confirmação, que veio somente após idas e vindas do Inter com outro treinador, Paulo Sousa, que acertou com o Flamengo.

Veja Também

Para a temporada 2022, o Inter terá como comandante uma das principais figuras do futebol argentino. O uruguaio de 43 anos era visto como o sucessor de Gallardo no comando do River Plate – o próprio treinador argentino indicou Cacique, caso confirmasse sua ida para o comando da seleção uruguaia, o que não aconteceu. No comando do Talleres, uma campanha sólida.  Foi terceiro colocado no Campeonato Argentino, conquistando uma vaga à Libertadores de 2022, e vice-campeão da Copa da Argentina – derrotado apenas nos pênaltis pelo Boca. O fato de o clube apresentar limitações no orçamento potencializa a campanha de Medina frente à equipe de Córdoba. O treinador não abre mão da intensidade das suas equipes, atuando tanto com linhas altas e baixas, preferecialmente no 4-2-3-1.

A indefinição e o nome de Paulo Sousa 

Desde o início, Medina era um dos nomes preferidos para assumir o Inter. Outro cotado era Eduardo Domínguez, técnico do Colón, também da Argentina. No entanto, até o desligamento do treinador com o Talleres foi cercado de mistério. Com sondagens também pelo San Lorenzo e o interesse do time de Córdoba em mantê-lo, Medina demorou a responder e, na quarta-feira, já irritava os dirigentes do Talleres. Na quinta, o desligamento foi confirmado e o nome ganhou força no Beira-Rio. 

Na véspera de Natal, também diante de uma demora para confirmação pelo Inter, surgiu a especulação do nome do português Paulo Sousa, técnico da seleção da Polônia. Os poloneses enfrentam a repescagem das Eliminatórias da Uefa, na tentativa de chegar à Copa do Mundo do Catar.

Na manhã de domingo, no entanto, as conversas se voltaram mais uma vez para Medina. Isso porque o jornal Record, de Portugal, passou a divulgar com mais força o acerto do Flamengo com Paulo Sousa. Assim, o Inter precisou retomar as conversas. Já na tarde de domingo, voltou a mirar o nome de Alexander Medina, até a efetivação da contratação, anunciada pelo Inter. 

O que “El Cacique” vai encontrar

No dia 22, o Conselho Deliberativo aprovou o orçamento do Inter para 2022. Apesar de o time ter ficado fora da Copa Libertadores, competição que tem o poder de alavancar as finanças de qualquer clube, o documento prevê um leve incremento no faturamento colorado no próximo ano, passando de R$ 411,5 milhões em 2021 para R$ 419,9 milhões em 2022. O orçamento também prevê um superávit de R$ 7,1 milhões na temporada que se inicia em janeiro próximo.

Por outro lado, os R$ 120 milhões previstos com a venda de jogadores devem ser atingidos com apenas uma negociação. Se em algum momento de 2022 o Inter decidir vender Yuri Alberto, o valor deverá ser maior do que esse. Em tese, os dirigentes fixaram em 20 milhões de euros (cerca de R$ 129 milhões) o valor do centroavante. Neste ano, a previsão de venda foi de R$ 90 milhões, já atingida com a recente negociação de Vinicius Mello para o Charlotte FC dos EUA.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895