Barcellos vê adiamento de confronto entre Inter e Boca Juniors como uma "questão de bom senso"

Barcellos vê adiamento de confronto entre Inter e Boca Juniors como uma "questão de bom senso"

Conmebol transferiu partida que aconteceria nesta quarta-feira pela Libertadores após a confirmação da morte de Diego Maradona

Correio do Povo / Rádio Guaíba

Argentinos já deixaram o hotel e estão retornado para Buenos Aires

publicidade

Em respeito ao luto do mundo do futebol, e especialmente dos argentinos, a Conmebol acatou o pedido do Boca Juniors e transferiu os confrontos contra o Inter pelas oitavas de final da Libertadores para os dias 2 e 9 de dezembro. Segundo o vice-presidente colorado, Alexandre Chaves Barcellos, assim que a morte de Diego Maradona foi confirmada, ambas as direções começaram a conversar para que a partida, que aconteceria nesta quarta-feira, às 21h30min, no Estádio Beira-Rio, ocorresse em outro momento. 

"Dos que vi jogar, Diego Armando Maradona foi o maior de todos e pelo fato do Boca Juniors estar envolvido na partida, com uma identificação total entre Maradona e o clube, era necessário que se adiasse. Nós começamos a conversar com a CBF e com a Conmebol e chegamos a este acordo que levou o adiamento da partida", reiterou em entrevista ao programa Repórter Esportivo, da Rádio Guaíba.

De acordo com Barcellos, o pedido de transferência partiu da diretoria argentina, mas para o Inter era uma "questão de bom senso" respeitar a dor dos adversários.

"Se fosse ao contrário, quem comanda o futebol sul-americano também teria essa compreensão conosco. Isto é muito maior que o jogo", explicou. O dirigente acrescenta que não existiu uma "negociação" pelo não adiamento, mas sim uma estruturação de datas para o calendário de nenhuma das equipes ser prejudicado. 

Assim que a entidade informou o adiamento, a equipe de Buenos Aires começou a deixar o Hotel Sheraton, em Porto Alegre, e se preparou para retornar à Argentina, onde o presidente Alberto Fernández, assim como o clube, declarou luto oficial de três dias.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895