Cuesta evita falar em Gre-Nal e projeta segundo semestre "ainda mais difícil"
capa

Cuesta evita falar em Gre-Nal e projeta segundo semestre "ainda mais difícil"

Clássico pelo Brasileirão será realizado ainda no mês de julho, após decisões contra o Palmeiras pela Copa do Brasil

Por
Correio do Povo

Victor Cuesta preferiu manter o foco no Palmeiras, adversário pela Copa do Brasil

publicidade

O zagueiro Victor Cuesta evitou falar em clássico Gre-Nal, um dos primeiros compromissos do Inter após a parada para a Copa América. Além disso, o atleta projetou um segundo semestre com mais dificuldades para o Colorado, em comparação a primeira metade de 2019.

O clássico Gre-Nal é o quarto jogo do Inter após a parada para a Copa América. Antes, o Inter tem os dois compromissos pelas quartas de final da Copa do Brasil, diante do Palmeiras, e o Athletico-PR, na Arena da Baixada. 

Questionado a respeito do jogo, Cuesta desconversou. Preferiu focar no Palmeiras, o primeiro jogo após o retorno. "É muito bom jogar o Gre-Nal, pois é um clássico muito importante do Brasil. Mas ainda falta. Temos as quartas da Copa do Brasil e temos que focar nisso", frisou.

Ele ainda projetou um segundo semestre ainda mais complicado em comparação a primeira metade do ano. Na avaliação do jogador, será um semestre duro, com muitas competições importantes em fases agudas. "São equipes muito grandes, do tamanho do Inter. Então, precisamos nos preparar para competir com eles e vencer. Precisamos estar preparados", disse.

Ainda sobre o Palmeiras, citou as dificuldades já esperadas, diante de um adversário qualificado, e destacou a importância de trazer a decisão no segundo jogo para o Beira Rio. Falou, também, sobre a ausência do gol qualificado. "Eu achava bom ter, mas a regra mudou e é importante manter uma regularidade boa nos dois jogos para conseguir a classificação".

O jogador elogiou o seu atual companheiro de zaga, Roberto. E falou sobre a recuperação do companheiro, o titular da posição Rodrigo Moledo. "Está se recuperando e trabalhando forte. Mas aqui é um grupo. Qualquer jogador que for chamado tem que dar conta", finalizou.