D’Alessandro é naturalizado brasileiro após 12 anos de Inter

D’Alessandro é naturalizado brasileiro após 12 anos de Inter

Meia deixa de contar como jogador estrangeiro no elenco do técnico Eduardo Coudet

Correio do Povo

Aos 39 anos, D'Alessandro está a dois jogos de completar 500ª partidas pelo Inter

publicidade

A dois jogos de chegar a 500ª partidas pelo Inter, Andreas Nicolas Dalessandro recebeu pelo Departamento de Migrações, no último dia 16, a nacionalidade brasileira, por naturalização. Considerado um dos maiores ídolos da história do clube pelos mais de 12 anos de serviços prestados e muitos títulos com a camisa alvirrubra, o argentino de nascença passa a ser brasileiro por opção.

“Oficialmente brasileiro! Dia muito especial na minha vida e carreira. Ser cidadão de um país que tão bem acolheu a mim e minha família é motivo de muito orgulho. A história está feita! Obrigado, Brasil!”, publicou o jogador em suas redes sociais.

Depois do nascimento do filho Gonzalo em Porto Alegre, de ter residência própria e ter condições de se manter no país, D’Alessandro foi aprovado em um exame, em 2019, que comprova que sabe ler e escrever em português. Desta forma, não precisou cumprir os 15 anos exigidos por lei para obter ter a naturalização.

D’Ale atualmente tem 498 jogos com a camisa do Inter e é o terceiro atleta que mais vestiu a camisa vermelha e branca do Colorado, ficando atrás apenas de Valdomiro, que fez 805 partidas e Bibiano Pontes, com 523. Nos mais de 12 anos de Beira-Rio, marcou 94 gols. Na temporada, apesar dos 39 anos, participou de 21 dos 31 compromissos da equipe de Coudet. Ele ainda marcou dois gols e deu três assistências.

D'Alessandro conquistou pelo Inter a Libertadores 2010, a Copa Sul-Americana 2008, a Recopa 2011, sete campeonatos Gaúchos e duas Recopas Gaúchas.

• Confira trechos da apresentação de D'Alessandro em 2008

Menos um estrangeiro no elenco de Coudet

Com a naturalização, D’Alessandro não ocupa mais uma vaga de estrangeiro no Inter. Com isso, o Colorado passa a contar com sete estrangeiros: Guerrero, Saravia, Cuesta, Musto, Abel Hernández, Leandro Fernández e Sarrafiore. Na Libertadores, o número de sul-americanos é livre, porém, no Brasileiro, só cinco podem ser aproveitados em cada partida.

Guerrero só retornar aos gramados em 2021 e Sarrafiore deve ser confirmado pelo Coritiba ainda nesta semana. O jovem argentino será emprestado para ganhar minutos em campo no futebol profissional brasileiro.

• Confira uma entrevista concedida a Conmebol em homenagem aos 10 anos do bi da Libertadores


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895