D'Alessandro é nomeado embaixador do Instituto do Câncer Infantil
capa

D'Alessandro é nomeado embaixador do Instituto do Câncer Infantil

Jogador representará ICI nos países da América Latina

Por
Eduardo Amaral

D'Alessandro foi nomeado embaixador do ICI na tarde desta segunda-feira

publicidade

“Esta plaquinha aqui vai para um museu, e este vai ser um dos prêmios mais importantes que eu vou ter”, foi assim que o Ídolo colorado, Andrés Nicolás D’Alessandro, se referiu ao papel onde estava escrito Embaixador do Instituto do Câncer Infantil (ICI). O jogador foi oficializado como o representante do Instituto na América Latina, em cerimônia realizada nesta segunda-feira no museu Iberê Camargo, em Porto Alegre. 

D’Alessandro é um antigo conhecido do ICI, já tendo visitado o local por diversas vezes antes do convite para ser embaixador. Durante a cerimônia, ele chegou a embargar a voz ao lembrar sua última ida ao Instituto. “Tinha um guri de 17 anos e olhando para ele estava melhor que eu, tiramos fotos, conversamos sobre futebol. Só que quando eu saí me disseram que ele estava com câncer terminal.” O jogador fez um paralelo entre os pacientes que encontrou no local e sua família. “Quando vejo as crianças vejo a imagem dos meus filhos no rosto de cada um deles.”

Na coletiva, o jogador demonstrou mais de uma vez emoção ao falar sobre o envolvimento que pretende fazer no instituto. “Como defendo a camisa do Inter dentro de campo, vou defender a camisa Instituto fora”, afirmou o jogador. Entre os objetivos, ele deixou claro que espera atrair mais jogadores para a causa do ICI. “O atleta tem muita força individualmente, mas junto ela é muito maior.” O primeiro passo foi dado durante a cerimônia, que contou com a presença de jogadores do atual elenco do Inter e do presidente do clube, Marcelo Medeiros. Ele ainda afirma que vai tentar atrair pessoas e empresas para ajudarem no trabalho do ICI. “Temos que pedir para pessoas físicas, empresas e à indústria farmacêutica.”

Diretor-presidente do ICI, o médico Algemir Brunetto, diz que o convite passa por uma estratégia de ampliar o atendimento, e que foi feita devido ao envolvimento de D’Alessandro com questões sociais e especialmente com as crianças atendidas. “Pela forma como ele se sensibilizou com a causa e por essa necessidade que o Instituto tem de expansão dos seus programas de atendimento à crianças com câncer. Entendemos que uma figura como a dele possa promover a causa independente de onde seja.” O médico fez um comparativo com o trabalho feito por Lionel Messi, do Barcelona, e por Mohamed Salah, do Liverpool. Ambos  conseguiram captar recursos para construção de hospitais de combate ao câncer na Espanha e no Egito.