D’Alessandro lamenta não se despedir da torcida e pede um Inter mais unido

D’Alessandro lamenta não se despedir da torcida e pede um Inter mais unido

Meia disse que gostaria de fazer um partida de despedida no Colorado

Correio do Povo

D'Alessandro ressaltou que existem colorados que lutam contra o clube e pediu um Inter mais unido

publicidade

D’Alessandro deixará o Inter em 31 de dezembro de 2020, mas sonha em poder voltar e fazer, pelo menos, um jogo de despedida. Ele ainda não sabe onde irá atuar ou quando deixará os gramados, mas gostaria de ter a oportunidade de agradecer ao torcedor que o apoiou nas 13 conquistas, nos 12 anos e nas muitas decepções, naturais do futebol, ainda mais para quem passa um longo período em um clube, o que é um fato raro.

“É frustrante depois de 12 anos não me despedir do torcedor dentro do Beira-Rio. Isso sim não tem como não sentir. Saudade do torcedor. Gostaria que a minha saída fosse de outra maneira, junto com eles, mas vai ser impossível (pela pandemia), então, vai ter que ser desta maneira. Não estou fechando as portas para o clube, pois gostaria de retornar, nem que fosse, por um jogo para me despedir do torcedor dentro do Beira-Rio”, revelou. “Sempre expus a minha vontade de encerrar a minha carreira no Inter ou no River Plate. Uma equipe me lançou no futebol e a outra fez com que a minha carreira melhorasse 500%. Não sei quanto tempo e nem onde jogarei em janeiro. (...) Se me abrirem as portas, entrarei em campo para despedir dentro do Beira-Rio, com a torcida do Internacional”, revelou.

D’Ale agradeceu a relação dele com dirigentes como Fernando Carvalho, Giovanni Luigi e Marcelo Medeiros, além de Alexandre Chaves Barcellos, Roberto Mello, Alessandro Barcelos e o executivo Rodrigo Caetano. “Ele me ajudou muito”, disse.

Por outro lado, o argentino naturalizado brasileiro demonstrou ressentimento com conselheiros e influenciadores digitais que “tumultuam o ambiente” do clube. “Senti nestes 12 anos, nem todo mundo é colorado e quer o bem do clube. Conheci bem muitas pessoas e nem tudo o que parecer ser é o que é. Gostaria de um clube mais unido. Um clube sem tanta falta de respeito. (...) Podem não gostar do que entrego em campo, mas têm que respeitar a pessoa, o meu caráter e a minha índole. Nunca faltei com o respeito com ninguém do clube”, lamentou.

“É muito fácil falar mal do clube quando perdemos dois ou três jogos. O colorado de verdade ajuda ou, pelo menos, não se manifesta contra o clube. Seja a gestão que for, o colorado de verdade tenta ajudar. Este tipo de colorado não pode trabalhar comigo. Eu não posso trabalhar com ele. Espero que o clube esteja mais unido daqui para a frente”, acrescentou.

D’Alessandro ainda criticou jornalistas e influenciadores digitais que também não respeitam os jogadores. Lembrou a saída para o River Plate e de matérias que apontavam quanto ele custava por segundo para o clube.

“Quando jogamos quatro ou cinco finais em 2009, a capa do jornal foi o meu salário, o que ganhava por mês, dias, minutos e segundos. Um dos jornalistas se diz muito colorado. Trabalhou no clube. Coincidência ou não, deixou de bater quando estava no clube. Agora, voltou a bater. Esse cara não merece o meu respeito, pois não me respeitaram como pessoa. Daí tenho que concordar com o Renato. Quando o Renato fala, muitos se c (*) na frente dele. Renato vou concordar contigo. Eles querem destruir histórias, grupos e gestões. Eu sou mais colorado que eles. Quero que me mostrem o contrário”, concluiu.

O argentino revelou que irá anunciar para os companheiros a decisão no treino da tarde desta segunda-feira, se a direção assim permitir.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895