Desafio do Inter é manter força ofensiva contra o Juventude neste sábado

Desafio do Inter é manter força ofensiva contra o Juventude neste sábado

Reestreia de Taison deu mobilidade e velocidade ao time no meio, mas jogador não foi inscrito no Campeonato Gaúcho

Fabrício Falkowski

Inter precisa vencer o jogo por mais de um gol de diferença para chegar à decisão

publicidade

De todas as boas notícias para a torcida colorada que saíram da goleada por 6 a 1 sobre o Olimpia, na quarta-feira, pela Libertadores, a melhor é a volta de Taison. Jogando como armador pelo meio, o recém-contratado deu a velocidade que ainda faltava à maioria das ações ofensivas do Inter. O problema é que o jogador não foi inscrito no Campeonato Gaúcho e não estará em campo contra o Juventude, amanhã, no Beira-Rio.

Como perdeu no último domingo, em Bento Gonçalves, por 1 a 0, o Inter precisa vencer o jogo por mais de um gol de diferença para chegar à decisão. Se a vitória for mínima, haverá cobranças de pênaltis no BeiraRio. Por isso, Miguel Ángel Ramírez deve buscar uma formação mais forte no ataque, apostando em uma vocação ofensiva que se mostrou muito presente nas últimas semanas, quando o time marcou 21 gols em seis jogos. 

“Há dias que a bola entra muitas vezes. Em outras, nem tanto, ou até nem entra. Muitas vezes é questão de sorte, mas depende muito do volume ofensivo. Nas últimas partidas, criamos muito e conseguimos fazer muito também”, afirmou o técnico, após a vitória sobre o Olimpia.

A principal preocupação é conseguir criar as chances. Além de Taison, há o caso de Patrick. O jogador tem uma lesão muscular e só deve voltar no outro final de semana, se o Inter chegar à final. Em compensação, Ramírez contará com o retorno de Palacios, que cumpriu suspensão contra o Olimpia. Embora não haja qualquer confirmação, a tendência é que o técnico monte o setor ofensivo com Thiago Galhardo, que recuperou a melhor fase, Palacios e Marcos Guilherme. No meio, a chance maior é por uma formação com Dourado, Edenilson e Maurício.

Questionado sobre a opção por Marcos Guilherme no time que iniciou contra os paraguaios, Ramírez fez uma defesa enfática do jogador. Disse que ele faz um “excelente trabalho sem bola”, além de ser “generoso” ao entregar-se em favor do time. Por fim, disse que espera continuar contando com o atacante: “Ele quer ficar no Inter, e o Inter quer que ele fique. Por isso, ele está aqui”.

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895