Inter aceita saída de Guerrero, mas exige compensação

Inter aceita saída de Guerrero, mas exige compensação

Multa rescisória foi estipulada em 2,5 milhões de dólares

Fabrício Falkowski

Inter aceita saída de Guerrero, mas exige compensação

publicidade

Paolo Guerrero esteve em campo em 61 partidas com a camisa do Inter e marcou 31 gols. Foi contratado em agosto de 2018, só estreou em abril do ano seguinte e, agora, quando se recupera de uma lesão no joelho direito, pediu para deixar o clube alegando, segundo os seus representantes, estar sendo desrespeitado. Os dirigentes até aceitam liberar o jogador, mas não pretendem abrir mão da multa rescisória, estipulada em 2,5 milhões de dólares. Todos, dirigentes, o jogador e também os representantes, desejam dar um fim rápido ao imbróglio.

A situação deve ser definida em breve. A princípio, uma reunião sobre o assunto aconteceria ontem, mas foi adiada. A situação tornou-se insustentável desde que o empresário de Guerrero, Vinicius Prates, utilizou a imprensa para pressionar a direção. A postura do agente não foi bem vista pelos dirigentes, que nunca perceberam qualquer tipo de insatisfação do centroavante no dia a dia. Neste momento, ele não pode jogar porque recupera-se de uma tendinite no joelho direito, o mesmo que foi submetido a uma cirurgia em 2020.

Veja Também

Mesmo que evitem comentários públicos, os dirigentes até aceitam a rescisão do contrato do jogador, desde que haja um acerto financeiro. Há duas explicações para isso. Em primeiro lugar, já há Yuri Alberto e Thiago Galhardo no grupo. Além disso, Guerrero, devido às prováveis convocações para a seleção peruana, ele ficará muito tempo longe do Beira-Rio em 2021.

Como acumula valores de luvas, mais salários, Guerrero é o jogador mais bem remunerado do Beira-Rio. Seus vencimentos são mais elevados do que os de Taison, recém repatriado. No final de 2019, o Inter havia acumulado uma dívida com o peruano que chegou a R$ 11 milhões, mas o valor foi quitado. Neste momento, não há pendências.

“O Paolo tem um contrato em vigor. As duas partes estão cumprindo o que determina esse contrato. Nós seguimos contanto com ele. Vamos tratar desse assunto internamente”, defende o executivo Paulo Bracks. O mais curioso para os dirigentes é que Guerrero nunca demonstrou no clube a insatisfação referida por Prates. De quebra, o presidente colorado, Alessandro Barcellos, já disse que gostaria não só de renovar o contrato do atleta, como gostaria de estender a sua permanência no Inter até o encerramento da carreira do centroavante.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895