Inter elabora estratégia para gastar menos e arrecadar mais

Inter elabora estratégia para gastar menos e arrecadar mais

Proposta orçamentária passará pela apreciação do Conselho Deliberativo na próxima semana

Fabrício Falkowski

Inter elabora estratégia para gastar menos e arrecadar mais

publicidade

O Inter planeja gastar menos e arrecadar mais para que não precise vender tanto em 2021. Pelo menos, é o que está escrito na proposta orçamentária elaborada pela nova direção colorada, que passará pela apreciação do Conselho Deliberativo em reunião virtual que ocorrerá entre terça e quarta-feira da próxima semana.

A ideia do presidente Alessandro Barcellos e dos seus pares é amealhar pelo menos R$ 90 milhões com a venda de jogadores, um valor bem abaixo dos R$ 115 milhões previstos anteriormente. O novo orçamento foi formulado pela atual diretoria, eleita no final do ano passado, para ocupar o lugar do documento anterior, que foi elaborado pela gestão de Marcelo Medeiros. A substituição da proposta orçamentária já estava prevista e visa a uma adequação dos números aos planos da nova direção do clube.

Veja Também

Para poder vender menos jogadores, diminuindo a previsão deste tipo de receita, o clube planeja cortar despesas, inclusive no futebol. A ideia é reduzir o montante de salários, direitos de imagem e logística, entre outros, em comparação aos últimos anos: R$ 260,4 milhões, contra R$ 263,5 milhões em 2020 e R$ 283 milhões em 2019. 

O Inter projeta um faturamento total de R$ 411,5 milhões no exercício de 2021, valor superior ao orçado em 2020, que foi de R$ 336,7 milhões, mas bem inferior ao projetado no orçamento anterior, que era de R$ 450,2 milhões. A principal receita vem da televisão (R$ 169,7 milhões), seguida pela venda de jogadores (R$ 90 milhões) e o quadro social (R$ 76,9 milhões).

No planejamento para 2021, está prevista uma volta gradual do público ao Beira-Rio a partir de julho. Segundo o planejamento, o estádio poderia receber 30% de sua capacidade neste mês, com aumento em agosto e capacidade plena somente no final do ano. A ideia é fechar 2021 com R$ 194 mil de superávit – em 2020, principalmente devido à pandemia, a déficit fechou acima dos R$ 60 milhões.

Eleição 

Diferentemente do processo eleitoral que elegeu o novo conselho de gestão, no final do ano passado, a eleição para a presidência do Conselho Deliberativo será marcada pela tranquilidade. Apenas uma chapa foi inscrita e ela representa praticamente todos os principais grupos políticos do clube. O nome apresentado para a presidência é Sérgio Jüchem. A eleição, também de forma virtual, será em 30 de março.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895