Inter reclama da pressão sobre o árbitro das “80 pessoas” que estavam no Castelão

Inter reclama da pressão sobre o árbitro das “80 pessoas” que estavam no Castelão

Alexandre Barcellos admitiu baixo rendimento, mas segue confiando que é possível o título com o atual grupo

Correio do Povo

Inter reclama que pênalti de Paulão em Musto não foi marcado devido a pressão de "80 pessoas" que estavam no Castelão

publicidade

A direção do Inter considerou o desempenho na derrota para o Fortaleza, no sábado, abaixo do normal, mas, mesmo assim, segue confiante que a equipe irá disputar o título até o final do Brasileirão. Após o jogo, o vice de Futebol, Alessandro Barcellos, criticou a arbitragem e a falta de fiscalização da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com o número de pessoas que ficaram nas arquibancadas do estádio Castelão.

“Infelizmente, a arbitragem foi ruim, para não dizer mais. O que nos chega de informação é que foi pênalti (De Paulão em Musto). No mínimo, (o lance foi) igual aos que foram marcados contra o Inter, como aquele do Rodinei, no Beira-Rio. A arbitragem foi ao VAR e tomou uma pressão”, afirmou o dirigente.

O lance que o Inter reclama penalidade máxima ocorreu no início do segundo tempo. Após cruzamento da direita de ataque, a bola atravessou a área e, na sequência, o zagueiro Paulão derrubou Musto. O o árbitro baiano Marielson Alves da Silva foi até o VAR e manteve a decisão de campo. Para o vice do Inter, a marcação não ocorreu devido a pressão que veio das arquibancadas, mesmo com a proibição de público nos jogos de futebol devido a pandemia.

“Jogo sem coordenação da CBF, pois tinham mais de 80 pessoas na arquibancada aqui no Ceará. Isso é inadmissível. Vocês acompanham os jogos no Beira-Rio... Então, é em cima destas dificuldades que nós vamos ter que superar, indo para um jogo difícil na quarta-feira, mas sabendo que é possível vencer, conquistar os três pontos e ir adiante”, revelou Alessandro Barcellos.

Apesar das câmeras da emissora que transmitiu a partida flagrarem muitas pessoas nas arquibancadas, Marielson da Silva não registrou o fato na súmula.

Sobre as duas derrotas seguidas no Brasileirão e a perda da liderança, o discurso da direção é de que é possível se recuperar e seguir mantendo o padrão das primeiras rodadas da competição. “Tenho certeza de que, com esse grupo, é possível disputarmos o título. O campeonato é longo, tem 38 rodadas. (...) Como eu disse no jogo contra o Goiás, o mais importante é chegar em primeiro lugar na última rodada. A liderança agora nos ajuda a ter tranquilo e trabalhar melhor, mas ela não significa que, ao não ser mantida em todas as rodadas, é que o trabalho está mal feito ou é impossível de se chegar ao título”, concluiu.

O grupo de jogadores do Inter folga neste domingo e se reapresenta às 10h da segunda-feira para realizar o primeiro de dois treinos antes do Gre-Nal da Libertadores. A segunda atividade será realizada na terça-feira, às 15h30min. O Clássico está marcado para quarta-feira, às 21h30min, no estádio Beira-Rio.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895