MP aponta mais de 200 casos de estelionato na gestão de Piffero no Inter
capa

MP aponta mais de 200 casos de estelionato na gestão de Piffero no Inter

Investigação indicou ainda que R$ 13 milhões foram desviados do clube

Por
Correio do Povo

Procuradores do Ministério Público detalharam denúncias feitas contra ex-dirigentes do Inter

publicidade

A primeira fase da Operação Rebote, deflagrada para investigar supostas irregularidades na gestão de Vitorio Piffero à frente do Inter, foi concluída nesta quarta-feira com o detalhamento do Ministério Público (MP) sobre os denunciados pelos crimes. Piffero foi definido pelos procuradores como um presidente atuante e que teria papel decisivo na série de ilegalidades cometidas durante a sua administração. O ex-mandatário do clube foi denunciado pelos crimes de estelionato e organização criminosa. O MP também teria encontrado crimes de lavagem de dinheiro, com a dissimulação de recursos para que voltassem para alguns ex-dirigentes. A ideia seria mascarar o caminho do dinheiro. 

Os investigadores do Ministério Público reiteraram que as investigações seguirão e terão novos desdobramentos. Hoje, foram apresentados alguns dados referentes ao núcleo de futebol da chamada "organização criminosa". Delitos relacionados às áreas de administração e jurídica serão posteriormente explanados pelo órgão com a continuidade das apurações. 

Em agosto de 2017, o Correio do Povo publicou uma matéria sobre inconsistências encontradas em obras no Inter. A partir da auditoria feita, o Ministério Público desencadeou a investigação que, mais tarde, culminou na operação Rebote. 

Segundo informações do MP na entrevista coletiva desta quarta, o dano patrimonial ao Inter foi estabelecido até o momento em pelo menos R$ 13 milhões. Na parte de futebol, seria em torno de R$ 150 mil, montante que seria oriundo de crimes de estelionato. O promotor de Justiça Flávio Duarte relatou que, em dado momento, o clube acabava contratando atletas não mais por critério técnico, mas de acordo com a relação com empresários. 

Duarte explicou ainda que o grupo de dirigentes teria feito irregularidades para justificar o pagamento de um pai de santo. "Foi alegado um valor destinado a um pai de santo. Não há notas para este tipo de serviço, mas o que fizeram foi a simulação de uma despesa relacionada a obras para justificar a quitação destes recursos", contou o promotor do Ministério Público. 

Indução ao erro 

Além de Vitorio Piffero, foram denunciados pelo Ministério Público Pedro Affatato, Emídio Marques Ferreira e Carlos Eduardo Marques, todos na condição de dirigentes do Inter. Conforme o MP, o grupo teria obtido para si os R$ 13 milhões, causando prejuízo ao clube. O valor teria sido adquirido depois que funcionários da administração do clube foram induzidos a erro, atestando obras que não ocorreram. Os integrantes do MP relataram que os dirigentes teriam usado artifícios administrativos e contábeis, entre eles a apresentação de notas fiscais e documentos fraudulentos.     

A denúncia do MP aponta que as fraudes teriam ocorrido em dois momentos, entre 2015 e 2016. O então vice de finanças, Pedro Affatato, com a suposta autorização de Piffero, teria realizado 145 saques diretamente da tesouraria do clube no valor total de R$ 9,6 milhões. A alegação usada à época seria de que os valores seriam usados para o pagamento de obras e prestações de serviços relacionadas à vice-presidência de Patrimônio, administrada por Emídio Marques Ferreira. 

Em outro momento, de acordo com o MP, Affatato e os outros denunciados teriam inserido informações e dados falsos em notas fiscais emitidas por empresas das quais seriam responsáveis. Nos documentos, ele teriam descrito serviços relacionados à construção civil que não ocorreram. Segundo o MP, algumas dessas companhias não teriam nem condições de prestar os trabalhos orçados. Apesar disso, as obras teriam sido efetivadas pela vice-presidência de Patrimônio. Mais tarde, as notas fraudadas teriam sido apresentadas na prestação de contas e a tesouraria do Inter, induzida ao erro, validou os valores sacados. 

Comissões 

A denúncia do Ministério Público aponta que o então vice de futebol Carlos Pellegrini teria obtido mais de R$ 230 mil em comissões para efetivar a contratação de cinco atletas que figuraram no plantel do Inter entre 2015 e 2016. A investigação encontrou o crime de lavagem de dinheiro, que teria passado por triangulações financeiras semelhantes àquelas praticadas pelo núcleo financeiro e patrimonial. As negociações teriam a participação dos empresários Rogério Braun e Giuliano Bertolucci. 

O outro lado 

O advogado Andrei Zenkner Schmidt, que representa Pedro Affatato, afirmou que ainda não tem conhecimento sobre o conteúdo da denúncia. “Não acessamos ainda a denúncia e, mesmo depois, só iremos nos pronunciar nos autos”, disse à reportagem. 

O escritório do advogado Roberto Podval, responsável por representar Giuliano Bertolucci, foi procurado e deverá emitir uma nota oficial sobre o assunto. Já o escritório do advogado Aury Lopes Júnior, que defende Rogério Braun, afirmou que ainda não tem posição sobre a denúncia feita pelo Ministério Público. 

A reportagem entrou em contato com o escritório que representa o ex-presidente Vitorio Piffero, mas não obteve retorno. Também buscou a palavra de Emídio Marques Ferreira e Carlos Pellegrini, mas não foi atendida. O espaço está aberto para manifestações dos citados.