Ramírez minimiza críticas e diz que quer implementar "modelo que sustente o Inter por muito tempo"

Ramírez minimiza críticas e diz que quer implementar "modelo que sustente o Inter por muito tempo"

Depois de empate por 2 a 2, treinador disse que entende a fome de vencer do torcedor colorado e pede confiança no seu trabalho

Correio do Povo

Treinador disse que entende necessidade do clube de voltar a vencer

publicidade

Após o empate do Inter em 2 a 2 contra o Sport na estreia do Brasileirão, a pressão sobre o técnico Miguel Ángel Ramírez aumentou nas redes sociais. Nas últimas seis partidas, apenas uma vitória, o que tem provocado frustração no torcedor colorado. Na avaliação do treinador, que questionou a atenção dadas às críticas, as cobranças por resultado são naturais, mas ele garantiu que se põe acima dos desdobramentos dos confrontos e trabalha para implementar no clube "um modelo que nos sustente por muito tempo, que nos fará competitivos por muito tempo, sem depender da sorte, de decisões da arbitragem".

"É respeitável, entendo a fome que tem de vencer, porque está há anos sem ganhar um título. Os primeiros que sofremos somos nós, porque sentimos essa necessidade, que temos que ganhar, do presidente ao diretor executivo, todos. Sabemos que temos que fazer as coisas. É normal que no início da temporada queiram resultado. Que isso se converta em hostilidade contra os jogadores, não sei se ajuda. E transformar essa hostilidade em motivação é difícil", avaliou.

Para o espanhol, enquanto treinador, ele precisa estar acima do resultado. Por exemplo, explicou que a sessão de análise de vídeos mais agressiva que teve com o jogadores foi depois da goleada por 6 a 1 contra o Olímpia, porque era preciso mostrar o que se quer da equipe. "Há varias leituras, conversamos essas semanas, sabemos que na elite o resultado manda, mão não podemos ser como a torcida e pensar só em resultado", disse.

Questionado sobre o que diria àqueles que o criticam, minimizou a questão. Afirmou que "há pouca gente que faz muito ruído" e que há muitos o apoiando. "Não tenho nada a dizer para a torcida sobre como se sentir. A único coisa que posso fazer é trabalhar com os meus jogadores para que deem a máxima alegria aos torcedores o quanto antes. O normal é que depois de anos sem ganhar desconfiem, nossa obrigação é tentar volta a ganhar. Uma vitória após a outra, essa é minha responsabilidade e é o que fazemos no dia a dia".

"Tanto a direção, quanto a comissão, temos que ser os primerios a transmitir isso aos torcedores, que creiam no processo e no trabalho que estamos fazendo. O tempo termina acomodando as coisas, quisera o futebol nos desse mais do que estamos recebendo, estamos merecendo mais do que estamos recebendo", falou sobre a falta de vitória.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895