Rodrigo Dourado admite que pensou que nunca mais “ia jogar bola” no Inter

Rodrigo Dourado admite que pensou que nunca mais “ia jogar bola” no Inter

Eduardo Coudet demonstrou extrema felicidade com retorno do volante, mas pediu cautela com a utilização imediata

Correio do Povo

Rodrigo Dourado admite que pensou que nunca mais “ia jogar bola” no Inter

publicidade

Aos 24 minutos do segundo tempo da partida contra o Sport, na Ilha do Retiro, na última quarta-feira, a angústia de um ano e três meses sem saber se conseguiria retomar a carreira acabou para o volante do Inter Rodrigo Dourado, de 26 anos. Depois de duas cirurgias no joelho esquerdo e um longo período de recuperação, cercado de incertezas e cobranças, o meia retornou aos gramados.

“Estou muito feliz. Eu e as pessoas próximas de mim sabem o que passei e sofri. (Dá uma pausa e volta com a voz embargada de emoção). Passou muita coisa na cabeça e até pensei que não conseguiria mais jogar bola. Estou feliz e agradeço a todos que me ajudaram a retomar a minha carreira. Agradecer ao grupo, que sempre me apoiou. (...) Agora é retomar aos poucos e ajudar ao máximo meus companheiros”, declarou bastante emocionado ao final da partida.

Dourado destacou a importância da vitória na Ilha do Retiro, fato que não ocorria desde 2012, e a qualidade do trabalho desenvolvido pelos companheiros e pelo técnico Eduardo Coudet. Mesmo em um momento de instabilidade no jogo e voltando de um longo período de recuperação, o treinador não teve receito de colocar o volante em campo contra o Sport. Entretanto, após a partida, pediu paciência com o jogador e deixou claro que, dificilmente, ele terá condições imediatas de iniciar entre os titulares.

Veja Também

“A volta dele foi importantíssima para nós. Quando acontece algo assim, que o jogador se esforça e deseja alcançar (a recuperação)... Vamos acompanhando o processo. Vendo como ele se esforça. Como os treinos vão mudando e se vão adaptando. Desde a primeira conversa, sempre deixei ele a vontade e esperava ele se sentir em boa forma. Antes da partida conversei com ele, ele me disse que se sentia bem, mas, obviamente, faltava ritmo de jogo. É um jogador muito posicional e que seguramente irá crescendo à medida que some minutos (de atuações). Temos que ter a tranquilidade para não adiantar processos. Vou tentar fazer isso”, declarou Coudet.

Após a partida, o grupo do Inter fez questão e deixar registrado com uma foto a partida que marcou o retorno de Dourado.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895