Vice-presidente de futebol do Inter avalia revés contra o Always Ready: "Não é aceitável"

Vice-presidente de futebol do Inter avalia revés contra o Always Ready: "Não é aceitável"

João Patrício Hermann reconheceu necessidade de evolução no futebol do Colorado

Correio do Povo / Rádio Guaíba

Colorado não teve boa atuação na altitude

publicidade

A derrota na estreia da Libertadores por 2 a 0 para o Always Ready, da Bolívia, na última terça-feira, segue repercutindo dentro do Inter. Na avaliação do vice-presidente de futebol, João Patrício Hermann, apesar da altitude de La Paz, o Colorado não teve uma boa atuação contra uma equipe inferior. O resultado deixa a equipe na lanterna do Grupo B. 

"A gente sabe que o Inter tem um elenco bastante qualificado. Por mais que nosso adversário seja campeão boliviano e tenha feito contra nós uma Copa do Mundo, não é aceitável uma derrota", afirmou em entrevista ao programa Repórter Esportivo, da Rádio Guaíba, nesta quarta-feira. "Jogar a Libertadores não é fácil. É uma competição, tradicionalmente, muito difícil, onde clubes, até então desconhecidos, surpreendem. A gente vai continuar, com o Táchira, que já venceu o Olimpia", acrescentou. 

Sobre o trabalho do técnico Miguel Ángel Ramírez, o dirigente reiterou a confiança no espanhol e em seu projeto de mudar a forma do Inter de jogar. "Se quiséssemos um trabalho para curto prazo, nós teríamos buscado outra solução que não essa. A gente entende que o Inter é um clube que tem que ter um modelo de jogo, a longo prazo, o resultado tem que ser permanente".

Apesar do deslize na Libertadores, o Inter tem somente duas derrotas sob o comando de Ramírez, que ainda está buscando uma escalação ideal e realizando alguns testes no time. "Evidente que a gente tem que evoluir. Existem situações colocadas, onde o Miguel coloca suas dificuldades para nós, nós colocamos nossas ansiedades. A gente não pode se comportar como torcedor", finalizou. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895