Maradona, ídolo do Boca Juniors dentro e fora dos gramados

Maradona, ídolo do Boca Juniors dentro e fora dos gramados

Time argentino enfrenta o Inter nesta quarta pela Copa Libertadores

Correio do Povo

Maradona em sua partida de despedida, em 2001

publicidade

Ícone do futebol argentino, Diego Maradona foi ídolo máximo do Boca Juniors, dentro e fora dos gramados da Bombonera. E é com o peso do luto pela morte de um de seus maiores nomes que a equipe Xeneize entraria em campo na noite desta quarta-feira para enfrentar o Inter pelas oitavas-de-final Libertadores. Porém, o jogo foi adiado para o dia 2 de dezembro. A história do "Pibe de Ouro" com o clube da Buenos Aires começou em 1981, quando transferiu-se para o time depois de seu início de carreira no Argentinos Juniors. Era o ponto de partida de uma jornada que o consagraria no país e abriria as portas para o mundo.

Maradona havia encantado a direção do clube após uma atuação de gala contra o time um ano antes: o modesto Argentinos Juniors vencera o Boca por 5 a 3. Na ocasião, o atleta marcou quatro gols. Assim, despertou o interesse dos xeneizes e de seu principal rival, o River Plate. Mesmo com uma menor oferta, o jogador optou por jogar na Bombonera.

Ficou apenas um ano, durante o qual marcou 28 gols em 40 jogos e foi campeão Metropolitano. Seus confrontos com o técnico Silvio Marzolini e a pressão da torcida fizeram com que ele não renovasse o contrato depois da Copa de 1982, na Espanha. Após o torneio de seleções, deu início à sua jornada pela Europa.

Ele retornaria para a casa em 1994, quando foi suspenso por 15 meses depos que um exame antidoping na Copa dos EUA  detectou cinco substâncias proibidas (efedrina, norefedrina, pseudoefedrina, norseudoefedrina e metaefedrina. Maradona, então, iniciou sua carreira como treinador. Não funcionou e, em 7 de outubro de 1995, voltou a jogar pelo Boca. Ele se aposentaria em 25 de outubro de 1997, em um Superclásico contra o River.

Em sua segunda passagem pelo time, jogou 31 jogos e marcou 7 gols. Após sua aposentadoria, Maradona esperou mais de quatro anos para fazer sua partida de despedida. Foi no dia 10 de novembro de 2001, num amistoso entre a seleção argentina.

Depois disso, as imagens de Maradona vibrando nos camarotes da Bombonera nas vitórias e conquistas do Boca Juniors se tornaram recorrentes. Com os punhos cerrados, muitas vezes sem camisa, ou agitando o manto do Boca e cantando as músicas que ecoavam no estádio, o ídolo se tornou mais um dos torcedores que ajudavam a empurrar o time argentino no caldeirão da Bombonera. Pelo menos até hoje. Quando a voz se calou. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895