Meia da Dinamarca está estável após sofrer mal súbito contra a Finlândia

Meia da Dinamarca está estável após sofrer mal súbito contra a Finlândia

Christian Eriksen desmaiou durante partida deste sábado

AFP

Christian Eriksen foi levado para o hospital após desmaio durante o jogo

publicidade

O meia dinamarquês Christian Eriksen encontra-se em estado "estável", informou a Federação Dinamarquesa de Futebol, neste domingo, sobre a situação do meia que caiu desacordado em campo, neste sábado, na partida contra a Finlândia, pela primeira rodada o Grupo B da Eurocopa. Em nota, a Federação disse que o jogador enviou suas saudações aos companheiros de campo e ele ficará hospitalizado para realização de mais exames. 

O jogo foi interrompido por volta do minuto 43, quando o dinamarquês sofreu um mal súbito no gramado, num momento em que não participava de nenhum lance. "O jogador foi transferido para o hospital e está estabilizado", divulgou a Uefa nas redes sociais minutos depois.

A Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU) também emitiu um comunicado destacando que o jogador de 29 anos está "acordado" e no principal hospital de Copenhague.

Durante o atendimento a Eriksen, que atua na Inter de Milão, ainda no campo, os médicos tiveram que fazer uma massagem no coração para reanimá-lo. O jogo foi interrompido, e seus companheiros fizeram um circulo ao redor do meia, alguns deles com lágrimas nos olhos, enquanto os serviços de emergência faziam o atendimento.

Ainda no gramado, o capitão Simon Kjaer e o goleiro Kasper Schmeichel, da Dinamarca, tentaram tranquilizar a família de Eriksen. Após vários minutos, o dinamarquês foi retirado do campo de maca, coberta com lonas para evitar as imagens, aplaudido pelo público presente no estádio de Copenhague.

O árbitro solicitou que os jogadores fossem para os vestiários e, em seguida, a Uefa anunciou através das redes sociais que o jogo estava "suspenso devido a uma emergência médica".

A cena remeteu a outros episódios dramáticos ocorridos nos últimos anos durante jogos de futebol. Um deles foi a morte do camaronês Marc-Vivien Foé, de 28 anos, na semifinal da Copa das Confederações contra a Colômbia, em Lyon, em 2003.

Segundo a autópsia, o jogador tinha uma malformação cardíaca e faleceu em campo.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895