Morre o técnico Valdir Espinosa aos 72 anos
capa

Morre o técnico Valdir Espinosa aos 72 anos

Campeão do Mundo e da Libertadores com o Grêmio em 1983, treinador estava internado em hospital no Rio de Janeiro

Por
Correio do Povo e Agência Brasil

Valdir Espinosa estava internado em hospital no Rio

publicidade

O técnico Valdir Espinosa morreu aos 72 anos, no Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira. O treinador passou por duas cirurgias na semana passada (nos dias 17 e 20 de fevereiro) e morreu após complicações. A morte foi comunicada pelo Hospital Quali Ipanema, onde o ex-treinador e dirigente esportivo estava internado.

Segundo a nota, Valdir "faleceu no início da manhã de hoje (quinta-feira) por volta das 6 horas por colapso cardiovascular resultante de pós-operatório complicado e infecção generalizada". Treinador campeão da Libertadores e do Mundo com o Grêmio em 1983, ele estava trabalhando como gerente de futebol do Botafogo, até se licenciar por problemas de saúde.  

Espinosa teve uma longa e vitoriosa história ligada ao Grêmio. Foi lateral direito do Tricolor entre 1970 e 1973, depois passou pelo CSA, Esportivo, de Bento Gonçalves e Vitória. Ao sair do clube baiano, em 1979, assumiu como técnico do Esportivo. Antes de voltar ao Grêmio no comando técnico, passou pelo Ceará e Londrina.

Em 1982, chegou ao Tricolor gaúcho e participou da montagem de um dos maiores times da história do clube. No ano seguinte, conquistou a Copa Libertadores da América e o Mundial. Em 1984, partiu para a primeira experiência no exterior e treinou o Al-Hilal, Arábia Saudita. Dois anos depois, voltou ao Grêmio e conquistou o Campeonato Gaúcho.

Espinosa como jogador do Grêmio         Foto: CPMemória

Ao todo, Espinosa trabalhou em 21 clubes diferentes no Brasil e no exterior. Fora do país, trabalhou três vezes no Cerro Porteño do Paraguai, onde foi campeão nacional duas vezes, no Tokio Verdy, do Japão e encerrou a carreira profissional em 2016, no Las Vegas City. No futebol brasileiro, as agremiações que mais comandou foram o Botafogo e o Fluminense. No clube da Estrela Solitária, ajudou o alvinegro a voltar a conquistar um título após 20 anos, em 1989. Com um gol do ex-atacante da dupla Gre-Nal Maurício contra o Flamengo, venceu por 1 a 0 e ergueu a taça do Campeonato Carioca. Espinosa também teve um breve período no Inter, quando comandou o clube por dois meses em 1990. 

Volta ao Grêmio

A última passagem de Valdir Espinosa pelo Grêmio foi em 2016, contratado para ser coordenador de futebol. No cargo, ao lado do técnico Renato, ajudou o Tricolor a conquistar a quinta Copa do Brasil e encerrar um jejum de 15 anos sem títulos importantes. Em 10 de agosto do ano seguinte, foi demitido e deixou o clube “decepcionado"

Espinosa é natural de Porto Alegre e nasceu no dia 7 de outubro de 1947. Jogador importante nas conquistas internacionais de 1983, Renato Portaluppi considera o ex-técnico como um pai. 

Ao lado de Renato, Espinosa comemora o título em Tóquio em 1983        Foto: José Doval / CPMemória

O velório de Valdir Espinosa será nesta quinta-feira, de 15h às 22h, no Salão Nobre de General Severiano, sede do Botafogo, no Rio de Janeiro. Ainda não há informações sobre o sepultamento.