O que se sabe do caso da tenista chinesa Peng Shuai?
patrocinado por

O que se sabe do caso da tenista chinesa Peng Shuai?

Atleta acusou um importante líder chinês de obrigá-la a ter relações sexuais e não fez mais qualquer aparição pública

AFP

Preocupação com o paradeiro e o estado de saúde de Peng Shuai aumenta

publicidade

A preocupação com o paradeiro e o estado de saúde de Peng Shuai aumenta. No início de novembro, a campeã de tênis chinesa, de 35 anos, acusou um importante líder chinês de obrigá-la a ter relações sexuais e, desde então, não fez mais qualquer aparição pública.

Desde o início do movimento mundial #MeToo, que denuncia a violência contra as mulheres, as acusações de Peng Shuai foram as primeiras feitas contra um membro da cúpula do Partido Comunista Chinês (PCC).

A acusação

Em 2 de novembro, uma mensagem publicada brevemente na conta oficial da tenista no Weibo (equivalente ao Twitter na China) informava que ela teve relações com o ex-vice-premiê chinês Zhang Gaoli. Esse homem, um dos mais poderosos da China entre 2013 e 2018, obrigou-a, segundo a tenista, a manter relações sexuais com ele e fez dela sua amante. Zhang, hoje na casa dos 70 anos, ainda não reagiu às declarações.

Não está claro se a mensagem foi postada pela própria Peng Shuai.

A censura

A mensagem da tenista foi rapidamente apagada, mas era tarde demais. Muitas pessoas já haviam feito uma captura de tela dela. Estas imagens também foram censuradas na China e assim permanecem até o momento.

A acusação feita pela tenista foi, porém, divulgada no Twitter, rede social bloqueada na China. Com isso, a notícia se espalhou pelo mundo. Na China, o nome "Peng Shuai" continua a aparecer nos resultados de busca na Internet. Ao se pesquisar seu nome associado ao de Zhang, porém, não há resultados.

O escândalo

No Twitter, a hashtag #WhereIsPengShuai (#OndeEstaPengShuai, em português) ganha força. Grandes nomes do tênis usaram-na para manifestar sua preocupação.

A ex-número um do mundo Naomi Osaka e a americana Serena Williams disseram estar "abaladas" com o que está acontecendo. "Sinceramente, é chocante que ela tenha desaparecido", afirmou o atual número um do mundo, Novak Djokovic. "Deve ser investigado, não podemos ficar em silêncio", frisou o tenista, no Twitter.

"Espero que eles encontrem-na em breve, porque não estamos falando de uma partida, estamos falando de uma vida humana", comentou o alemão Alexander Zverev.

A diplomacia e a resposta oficial

Na sexta-feira (19), vários países, entre eles os Estados Unidos, disseram estar "preocupados" com o destino da jogadora chinesa. A ONU pediu provas de que ela está bem.

A WTA, que organiza o circuito profissional feminino de tênis, pediu uma "investigação profunda, justa e transparente sobre as acusações de violência sexual contra Peng Shuai".

No início da semana, o diretor da WTA, Steve Simon, disse ter "recebido a confirmação de várias fontes, incluindo a federação chinesa, de que a jogadora se encontra em um lugar seguro e não está sob ameaça física".

O e-mail

A televisão pública chinesa CGTN publicou a imagem de um e-mail atribuído a Peng Shuai e endereçado à WTA. Com transmissão em inglês e voltado para o público estrangeiro, a emissora diz que a jogadora admite que as acusações são "falsas" e que está "descansando". "Está tudo bem, obrigada por se interessar por mim", conclui o texto.

Em entrevista à rede CNN, Steve Simon questionou a autenticidade do e-mail. "Não acredito, de modo algum, que seja a verdade", disse Simon, classificando-o como "encenação".

As fotos

Quatro fotos da campeã de tênis foram publicadas, na sexta-feira, na conta do Twitter @shen_shiwei. A autenticidade dessas imagens não pôde ser verificada pela AFP.

Em uma das imagens, a jovem aparece sorrindo com um gato nos braços, no que parece ser sua casa. Uma outra é uma "selfie" de Peng Shuai com um boneco do personagem Kung Fu Panda. A conta do Twitter indica, em inglês, que as fotos foram enviadas de forma privada pela tenista em uma rede social para desejar a seus contatos um "bom fim de semana".

Hu Xijin, influente editor-chefe do Global Times, um jornal chinês marcadamente nacionalista, disse ter recebido informações que garantem "estas fotos são atuais".

"Nos últimos dias, ela ficou em casa em total liberdade e não queria ser incomodada", afirmou Xijin neste sábado (20). Peng Shuai "vai aparecer em público muito em breve", escreveu ele, em inglês, no Twitter.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895