Brasil fecha 1ª dia com frustrações na esgrima e na ginástica, mas com vitórias do vôlei em Tóquio

Brasil fecha 1ª dia com frustrações na esgrima e na ginástica, mas com vitórias do vôlei em Tóquio

Na praia e na quadra, brasileiros tiveram 100% de aproveitamento, no entanto, ginasta Arthur Nory e esgrimista Nathalie Moellhausen ficaram de fora da disputa por medalhas

Vítor Figueiró

Brasil engrenou após começou instável e arrancou bem no volêi

publicidade

O Brasil encerrou o primeiro dia oficial da Olimpíada de Tóquio sem conquistar nenhuma medalha e com algumas frustrações de candidatos a disputa por pódio, especialmente na ginástica artística e na esgrima, com o ginasta Arthur Nory e a esgrimista Nathalie Moellhausen. Apesar dos insucessos, o país celebrou um grande desempenho no vôlei, tanto de praia, quanto de quadra, onde venceu em todas as categorias que disputou sem perder sets, e também se classificou para as finais com Arthur Zanetti, nas argolas, e Caio Souza, no salto e no individual geral, junto também de Diogo Soares. Por equipes, os ginastas brasileiros não avançaram por 0,229 e acabaram em nono lugar.

Principal esperança de medalha do país na estreia, a esgrimista Nathalie Moellhausen, campeã mundial em 2019, travou uma verdadeira batalha com a italiana Rosella Fiamino, atual vice-campeã olímpica, na esgrima. No entanto, após um duelo com várias trocas de lideranças, a adversária venceu por 10 a 9 no golden point e frustrou o sonho da italiana, que tem nacionalidade brasileira, de vencer em Tóquio. 

Acompanhe as Olimpíadas de Tóquio

Esporte que mais entregou medalhas para o Brasil, o judô não teve um início glorioso no Japão. Após vitórias firmes na estreia, Eric Takabatake e Gabriela Chibana pararam na segunda-fase e estão fora da competição. Com possibilidades de surpreender nas categorias 48kg e 60kg, ambos tiveram pela frente adversários "casca grossa". Chibana perdeu, aliás, para a campeã olímpica, Dristia Krasniqi, do Kosovo, atual número 1 do mundo e imparável em Tóquio. 

Na sequência, agora pelos esportes coletivos, a seleção brasileira de Handebol fez duro confronto com a favorita Noruega, mas acabou superada por 27 a 24. O desempenho, no entanto, foi um alento para os atletas que terão um grupo complicado pela frente no restante da Olimpíada. 

Vôlei 100% de aproveitamento

O vôlei brasileiro teve um dia para lembrar em Tóquio. Na praia e na quadra, todos representantes brasileiros venceram neste sábado e seguem em busca do sonho olímpico. Depois de um começo instável contra a Tunísia, os comandados de Renan Dal Zotto se encontraram em quadra e venceram por 3 a 0, com parciais de 25/20, 25/22 e 25/15. A partida marcou o retorno do técnico à beira da quadra, comandando a equipe, após se recuperar da Covid-19. 

Na praia, a dupla Alison e Álvaro Filho venceu sem dificuldades os argentinos Julian Azaad e Nicolas Capogrosso por 2 sets a 0 (21/16 e 21/17). No feminino, outra vitória para cima dos hermanos. Ágatha e Duda, principal dupla do país e favoritas ao ouro olímpico, superaram as argentinas Gallaz e Pereyra por 21/19 e 21/11.

Decepção e esperança na ginástica artística

Na ginástica, o medalhista olímpico Arthur Zanetti segue na luta pelo ouro. O ginasta teve grande performance e se classificou para a final das argolas. No salto, Caio Souza também foi bem e está na final no aparelho. Além disso, ele entrou para a decisão no individual geral. Outro nome que avançou no individual geral foi Diogo Soares. Com isso, o Brasil terá quatro representantes nas finais. 

A decepção brasileira ficou por conta de Arthur Nory, tanto no solo, quanto na barra fixa. Com alguns erros e uma queda, Nory, que era candidato a medalha, ficou de fora do top 8 e não luta mais por pódio. 

Na disputa por equipes, o Brasil encerrou a apresentação na sétima colocação, dentro da zona de classificação. Assim seguiu, até as apresentações de Alemanha e Estados Unidos. Ambos países ultrapassaram os ginastas brasileiros, que ficam em 9° e fora da final por times. 

Surpresas no tênis

Outro desempenho de destaque foram das meninas do tênis. Laura Pigossi e Luisa Stefani estrearam com uma ótima vitória e se classificaram para a segunda rodada do torneio de duplas. Elas superaram as favoritas canadenses Gabriela Dabrowski e Sharon Fichman, na madrugada deste sábado, por 7/6 (7-3) e 6/4. Dabrowski e Fichman eram as cabeças de chave número 7.

No masculino individual, Thiago Monteiro foi derrotado pelo alemão Lars-Struff por 2 sets a 0. A "surpresa" ficou por conta do excelente desempenho de João Menezes, que fez jogo duro com o top 40 do mundo e campeão de Grand Slam, Marin Cilic, da Croácia. Em duelo "maluco", o brasileiro venceu o primeiro set - 7/6 - e sacou para a vitória no 5 a 4 no segundo set. No entanto, o adversário virou e abriu 5 a 0 na terceira parcial. De novo em reviravolta, João igualou o placar e passou a frente com 6 a 5 e saque. Cilic fez valer a experiência, empatou e triunfou no tiebreak por 8 a 6. 

Nas duplas masculinas, Marcelo Melo e Marcelo Demoliner também foram eliminados. Em um jogo parelho, os brasileiros foram derrotados pela dupla cabeça de chave, os croatas Nikola Metktic e Mate Pavic, por 7-6 (8/6) e 6-4.

Eliminações no tiro, no levantamento de peso e no tênis de mesa

Se na quadra o desempenho variou, na mesa, o Brasil não teve sucesso nesse primeiro dia. Em grande duelo, Jessica Yamada, primeira representante brasileira da modalidade no Japão, foi eliminada pela Suíça Rachel Moret, que venceu por 4 sets a 2, com parciais de 11/6, 6/11, 11/4, 7/11, 11/6 e 14/12 em 45 minutos de jogo na madrugada deste sábado. Ela volta para competir por equipes. 

Candidato a surpreender, o medalha de prata na Rio/2016, Felipe Wu foi eliminado na primeira fase da pistola de ar 10m. No Campo de Tiro de Asaka, o atirador ficou apenas em 32º lugar entre os 36 competidores, ao somar 566 pontos. 

No levantamento de peso, a brasileira Natasha Rosa ficou em nono lugar em sua categoria, até 49 kg. A atleta levantou 78 kg no arranco e 95 kg no arremesso, totalizando 173 kg. A medalha de ouro ficou com a chinesa Zhihui Hou, que bateu três recordes olímpicos na mesma disputa, fechando com 210kg.

Na natação, o Brasil conseguiu uma vaga nas semifinais dos 100m peito. Felipe Lima ficou em quarto lugar em sua bateria com 59s17 e volta à água no Centro Aquático de Tóquio e vai brigar por uma vaga na final em Tóquio. A semifinal será no domingo. No revezamento 4x100m livre feminino, a equipe brasileira - Larissa, Oliveira, Ana Carolina Vieira, Etiene Medeiros e Stephanie Balduccini - fez o 12º melhor tempo das eliminatórias e está fora da final. 

Primeira medalha de ouro dos Jogos Olímpicos

No começo da madrugada brasileira, a chinesa Yang Qian, do tiro esportivo, conquistou a primeira medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A atleta de 21 anos venceu a prova de 10 metros com carabina ao obter 251,8 pontos, novo recorde olímpico. O dia também marcou a primeira medalha da história dos Jogos para a categoria dupla mista no tiro com arco. Os sul-coreanos An San e Kim Je Deok ficaram no primeiro lugar. 

Entre os destaques internacionais, está o ciclista Richard Carapaz que conquistou a segunda medalha de ouro da história do Equador nos Jogos Olímpicos. O equatoriano venceu o ouro com 6h05m26s após um percurso de 234 quilômetros e chegou a colocar um minuto e sete segundos à frente do belga Van Aert, medalha de prata. 

Sempre na disputa no quadro de medalhas, os Estados Unidos não conquistaram nenhuma nesse primeiro dia. A China, com três ouros e um bronze, lidera, seguida por Japão, um ouro e uma prata, e Coreia do Sul, com um ouro e dois bronzes. As competições voltam a partir das 19h, com o surfe, que estreia nos Jogos Olímpicos. 

Quadro de medalhas - Top 5 

1° - China / 3 / 0 / 1  
2° - Itália / 1 / 1 / 0
3° -Japão / 1 / 0 / 2
4° - Coreia do Sul / 1 / 0 / 2
5° - Equador / 1 / 0 / 0 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895