Brasil perde para a Argentina e fica sem medalha no vôlei masculino

Brasil perde para a Argentina e fica sem medalha no vôlei masculino

Em jogo de altos e baixos, seleção leva 3 sets a 2 e termina a Olimpíada em quarto lugar

Correio do Povo

Facundo Conte fez um grande jogo contra os brasileiros

publicidade

Apática em momentos decisivos, a seleção masculina de vôlei perdeu a decisão do bronze para a Argentina, na madrugada deste sábado, e terminou em quarto lugar nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Foi um jogo de altos e baixos, decidido em cinco sets, com parciais de 25/23, 20/25, 20/25, 25/17 e 15/13.

Pela primeira vez após quatro edições dos Jogos Olímpicos, o Brasil ficou fora do pódio no vôlei masculino. A Argentina, por sua vez, conquistou sua segunda medalha na história, o segundo bronze, após o terceiro lugar obtido em Seul-1988, em uma decisão justamente contra os brasileiros. Na madrugada de sábado para domingo, à 1h30min (de Brasília), a seleção feminina decide contra os Estados Unidos a medalha de ouro.

O Brasil parece que nunca saiu daquele fatídico terceiro set contra os russos, pela semifinal. Ao menos, não demonstrou mais o nível de jogo nem de vibração que teve antes daquela virada que tirou o time da disputa do ouro. Com a necessidade de se motivar para a disputa do bronze, o Brasil começou oscilando, contra uma Argentina que entrou jogando com muita força desde o início do primeiro set.

Contando com um Facundo Conte inspiradíssimo, assim como o levantador De Cecco e o central Loser, os argentinos chegaram a abrir cinco pontos de vantagem. O ataque brasileiro demorou um pouco a engrenar, e o bloqueio, muito. Na reta final do set, o Brasil esboçou uma reação e diminuiu a diferença para até um ponto. Porém, nas duas primeiras ocasiões em que sacou para empatar o placar, errou saques sem força, com Maurício Souza e Alan. Na terceira, com 24 a 23 contra, Lucarelli conseguiu um ótimo saque, o Brasil conseguiu defender o ataque argentino e teve duas oportunidades para colocar a bola no chão, mas não conseguiu. Parcial fechada em 25 a 23 para os argentinos.

O primeiro bloqueio do Brasil no jogo só veio no 11º ponto do segundo set, com Lucarelli fazendo 6 a 5. Com Douglas na quadra desde o início, virando mais bolas, e o bloqueio começando a funcionar, o Brasil saltou na frente em 10 a 7. A Argentina não deixou a diferença aumentar, ficou pressionando e já empatou em 13 a 13.

Depois de uns momentos de apuros, o Brasil conseguiu voltar a abrir três pontos de vantagem no 20 a 17. Mesmo sem muito brilho, foi administrando até o 23 a 20 e aí conseguiu mais dois pontos para fechar a parcial em 25 a 20.

No terceiro set, o Brasil começou errando e a Argentina já abriu 3 a 0, depois 6 a 2. Quando os bloqueios começaram a aparecer de novo, os brasileiros foram se aproximando no placar e empataram em 10 a 10. A Argentina ainda chegou a abrir 16 a 13, mas foi aí que o jogo mudou. Leal entrou e teve uma excelente passagem pelo saque, quando o Brasil já empatou e depois passou no placar em 19 a 17. E a partir daí, os brasileiros começaram a ganhar tudo na rede até finalizar a parcial com um impressionante bloqueio simples de Wallace: 25 a 20.

Quando parecia que o embalo seria suficiente para colocar a mão na medalha de bronze, sensação reforçada pelos primeiros pontos do quarto set, vencido pelo Brasil, a maré virou de novo. Eficiente nos bloqueios e ataques, a Argentina passou e logo começou a abrir vantagem. Os últimos pontos foram constrangedores. O Brasil era um time prostrado e abatido quando foi vencido por 25 a 17 – o set point foi um erro de saque bizarro de Lucarelli.

O tiebreak começou na mesma levada do final do quarto set, e a Argentina saltou à frente, com tudo dando certo. Mas o Brasil reagiu e, aos trancos e barrancos, em meio a muitos erros, demonstrou força suficiente para empatar em 13 a 13, com boas entradas de Douglas e Alan. Então, a Argentina conseguiu virar a bola para ter o match point e então, Douglas parou no bloqueio: 15 a 13.

"É uma frustração muito grande. Difícil encontrar palavras. Temos que assumir as nossas responsabilidades e seguir em frente", lamentou o levantador Bruninho, de 35 anos, que evitou falar sobre sua possível continuidade na seleção após quatro Olimpíadas e três medalhas.

O total de pontos foi 105 a 103 para a Argentina. Facundo Conte marcou 21, seguido por Loser (14), Bruno Lima e Palacios (13 cada). No Brasil, os principais pontuadores foram Wallace, com 17, Lucão, 14,  Lucarelli, 13, e Douglas, 11.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895