Corredora quebra recorde nacional, mas Brasil tem quatro atletas eliminados no atletismo

Corredora quebra recorde nacional, mas Brasil tem quatro atletas eliminados no atletismo

Tatiane Silva fez melhor marca do país nos 3.000 metros com obstáculos, mas alto nível da prova impediu avanço

AE

Tatiane quebrou recorde brasileiro, mas não conseguiu avançar

publicidade

As baterias classificatórias do atletismo disputadas neste domingo terminaram sem nenhum brasileiro classificado na Tóquio 2020. Simone Ferraz e Tatiane Silva não avançaram nos 3000 metros com obstáculos, assim como Lucas Carvalho nos 400 metros e Eliane Martins no salto em distância.

Atual campeã sul-americana dos 3000 metros com obstáculos, Tatiane Raquel da Silva correu a segunda bateria da modalidade e terminou em nono lugar. Com tempo final de 9m36s43, a atleta de 31 anos bateu o recorde nacional, baixando em quase dois segundos a marca anterior, conquistada na Olimpíada do Rio , em 2016, por Juliana dos Santos.

Na mesma disputa que Tatiane, Simone Ferraz foi a primeira a entrar na pista e saiu de lá com a 14ª e última colocação da bateria eliminatória, após completar a prova em 10min00s92. "O pelotão da frente largou muito forte e eu demorei para acertar minhas passadas e encaixar minha técnica. Eu estou muito feliz por estar nos Jogos Olímpicos, porque eu fui até o último minuto para conquistar essa vaga", avaliou Simone, que ficou com a prata no Sul-Americano do Equador deste ano quando Tatiane venceu.

Escalado na terceira bateria dos 400 metros, Lucas Carvalho fez a corrida em 46s12, o 32º tempo da classificação geral, e ficou com a sétima colocação. Medalhista de prata no Sul-Americano, o velocista de 28 anos se mostrou muito frustrado com a eliminação.

O Brasil também ficou de fora da próxima fase do salto em distância feminino. Após não completar a primeira tentativa, Eliane Martins saltou 6,43m e baixou para 6,38m na sequência, desempenho que a deixou apenas em 17º lugar, ficando de fora da disputa por medalha na modalidade. Assim como Lucas Carvalho e Simone Ferraz, a atleta de 35 anos foi medalhista de prata no Equador.
 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895