Jogos de Tóquio lutam contra rumores de cancelamento por coronavírus
capa

Jogos de Tóquio lutam contra rumores de cancelamento por coronavírus

Mundial indoor na China foi remarcado por conta da doença

Por
Estadão Conteúdo


publicidade

Os organizadores dos Jogos de Tóquio estão tentando combater rumores de que a Olimpíada de 2020 pode ser cancelada ou adiada por causa da disseminação de um novo vírus. A cerimônia de abertura do evento está agendada para 24 de julho, daqui a menos de seis meses. Até o momento, o Japão não relatou mortes pelo coronavírus, mas mais de 250 pessoas foram vítimas da doença na China. O Comitê Organizador da Olimpíada de Tóquio hesitou por vários dias para comentar sobre o assunto e o Comitê Olímpico Internacional (COI) também tem permanecido calado.

Em uma declaração publicada nesta sexta-feira, os organizadores disseram que "não estão considerando um cancelamento." Eles afirmaram ainda que "medidas contra doenças infecciosas constituem uma parte importante de nossos planos para sediar Jogos seguros e protegidos." Os boatos de um cancelamento se espalharam no Japão com relatos de que o COI se reuniria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o surto, que foi classificado por ela como uma emergência global. Os rumores também se espalharam pela internet, com milhares de comentários no Twitter sob a hashtag em japonês "Olimpíada de Tóquio cancelada".

O COI já enfrentou desafios desse tipo anteriormente. Edições dos Jogos deixaram de ser realizadas durante o período de guerras mundiais e os eventos de 1980 e 1984 sofreram boicote. A Olimpíada de Inverno de 2002 em Salt Lake City ocorreu apenas alguns meses após os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos. Já em 2016, no Rio, o Zika vírus, transmitido por mosquitos, era a principal preocupação.

O maior problema para a Olimpíada pode vir com eventos de qualificação na China e em outros lugares sendo cancelados ou adiados. As federações internacionais terão de remarcar competições e os atletas chineses podem encarar desafios extras na busca por suas vagas. A World Athletics, o órgão gestor do atletismo, anunciou anteriormente o adiamento para o ano que vem do Mundial Indoor de Nanquim, que estava agendado para o período entre 13 e 15 de março.


Viagens certamente serão mais complicadas se o surto continuar. Os 11 mil atletas esperados para competir na Olimpíada de Tóquio também pressionarão para que permaneçam seguros. Isso em um contexto de procura sem precedentes por ingressos, com a demanda sendo dez vezes maior do que a oferta.