Manipulação de amostras positivas de doping expõe Rússia a sanções severas

Manipulação de amostras positivas de doping expõe Rússia a sanções severas

Wada pediu exclusão do país dos Jogos Olímpicos do Rio 2016

AFP

Manipulação de amostras positivas de doping expõe Rússia a sanções severas

publicidade

O Comitê Olímpico Internacional (COI) garantiu nessa segunda-feira que adotará duras sanções contra a Rússia, após a publicação de um contundente relatório que revelou "um sistema de doping promovido pelo Estado", enquanto a
Wada pediu a exclusão do país dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

O presidente do COI, Thomas Bach, afirmou que entidade esportiva internacional "não hesitará em impor as sanções mais severas possíveis contra todo indivíduo e toda federação envolvida". Bach afirmou que nesta terça-feira haverá uma reunião por conferência telefônica com a Comissão Executiva do COI que "poderá tomar medidas provisórias e sanções em relação aos Jogos do Rio 2016".

O relatório, redigido pelo professor canadense de direito esportivo Richard McLaren afirmou que o programa de doping foi organizado pelo ministro de Esportes russo, Vitaly Mutko, com a "ativa participação e assistência" dos serviços secretos do país para os Jogos de Inverno de Sochi-2014, assim como para outras competições do país.

"O laboratório de Moscou atuou na proteção dos atletas russos dopados com um sistema promovido pelo Estado, descrito no relatório como 'Metodologia para o Desaparecimento de Positivos'", explicou McLaren.

"A Wada pede ao movimento esportivo que impeça a participação dos atletas russos em todas as competições internacionais, incluindo os Jogos do Rio, enquanto não for realizada uma mudança em sua cultura", decretou a Wada.

As agências antidoping de Estados Unidos e Canadá prontamente pediram uma punição que proíba a participação de todos os atletas russos nos Jogos do Rio, que começam em 5 de agosto. "O relatório McLaren provou, acima de qualquer suspeita, o nível alucinante de corrupção que reina no esporte russo e no governo russo", declarou o diretor da Usada, Travis Tygart.

O relatório acusa diretamente Vitaly Mutko de orquestrar todo o esquema. "O ministro de Esportes comandou, controlou e supervisionou a manipulação dos resultados dos atletas, ou as trocas de amostras, com a ativa participação da FSB (serviço secreto russo), CSP (Centro de Preparação Esportiva para atletas russos) e os
laboratórios de Moscou e Sochi".

"Ataque sem precedentes"

As conclusões do relatório McLaren provam "um ataque impactante e sem precedentes à integridade do esporte e dos Jogos Olímpicos", reagiu Bach.

Sochi 2014 não foi o único evento esportivo em que se ocultaram casos de doping, o que já havia ocorrido no Mundial de Atletismo de Moscou 2013. "Ao fim do Mundial de Moscou, o laboratório afastou amostras positivas, retirou as tampas e substituiu a urina 'suja' antes das amostras serem enviadas a outro laboratório da Iaaf", publicou o relatório.

A comissão independente, nomeada pela Wada e liderada por McLaren, investigou as acusações do ex-diretor do laboratório antidoping de Moscou, Grigori Rodtchenkov.

Em maio, Rodtchenkov revelou que dezenas de atletas russos, entre eles 15 medalhistas olímpicos, se aproveitaram de um sistema de doping organizado e supervisionado por Moscou e seus serviços de inteligência nos Jogos de Sochi.

Rodtchenkov também fez parte da comissão independente dirigida pelo ex-chefe da Wada, Richard Pound, que revelou em novembro de 2015 o uso generalizado de doping no atletismo russo, o que levou à suspensão da Rússia pela Federação Internacional de Atletismo (Iaaf).

A Iaaf confirmou em 17 de junho a suspensão do atletismo da Rússia nos Jogos do Rio 2016, mas deixou a porta aberta para a presença de atletas russos limpos, à conveniência do COI e a título individual. Para isso, os atletas teriam que estar treinando "fora do país" e sendo "submetidos a outros sistemas de controle antidoping".

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895