Muita água e a festa da primeira medalha do Brasil na segunda madrugada olímpica

Muita água e a festa da primeira medalha do Brasil na segunda madrugada olímpica

Skate garantiu a prata para o país, natação, surfe e remo trouxeram bons resultados

Correio do Povo

Kelvin Hoefler abriu os trabalhos do Brasil no pódio

publicidade

O segundo dia oficial de competições da Tóquio 2020 ficou marcado pela primeira medalha para o Brasil nesta edição dos Jogos Olímpicos. Demorou um pouquinho até o país engrenar um pódio, mas Kelvin Hoefler levou a medalha de prata na estreia do Skate Street e colocou os brasileiros no quadro de medalhas. Não foi a única do dia. Já no início da manhã desse domingo, o gaúcho Daniel Cargnin, da Sogipa, conquistou o bronze ao vencer o israelense Baruch Shmailov.

As competições começaram pelas piscinas de Tóquio, com as primeiras medalhas da natação. Os Estados Unidos marcaram terreno com a vitória nos 400m Medley de Chase Kalisz, mas as grandes histórias foram outras.

A primeira delas, do tunisiano  Ahmed Hafnaoui. Pior classificado para a final dos 400m livres, o nadador de 18 anos disparou na liderança da prova e, quando pensavam que iria cansar, seguiu firme até a medalha de ouro derrubando vários favoritismos. A participação brasileira ficou com Felipe Lima, que finalizou sua semifinal em sexto e foi o 12º no geral dos 100 metros peito.

Em seguida, o Japão vibrou com Yui Ohashi. A japonesa faturou o primeiro ouro do nado para os donos da casa com uma prova perfeita, liderando quase de ponta a ponta e destronando a húngara Katinka Hosszu.  Para coroar o espetáculo, a Austrália patrolou o recorde mundial do revezamento 4x100m feminino com a primeira marca em 3min29s, desbancando as norte-americanas, que foram apenas bronze, superadas no fim pelo Canadá.

As águas foram boas para os brasileiros, principalmente no mar. Gabriel Medina, Ítalo Ferreira, Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb confirmaram o 100% do surfe na Olimpíada. Todos avançaram às oitavas de final sem precisarem de repescagem. Na Vela, Robert Scheidt, na classe laser, e Patrícia Freitas, na RS:X, terminaram na mesma colocação o primeiro dia de regatas: 11º. As disputas serão retomadas na madrugada deste domingo para segunda. Na canoagem, Ana Sátila se classificou para a final na categoria K1. E houve também o avanço do remador Lucas Verthein à semifinal do single skiff.

Nos esportes coletivos, a estreia do handebol feminino superou as expectativas. As brasileiras encararam as campeãs olímpicas de igual para igual e conseguiram o empate em 24 a 24 com as russas. No vôlei de praia, Bruno e Evandro ganharam dos chilenos Marco e Estebam Grimalti por 2 sets a 1, com virada dramática no set decisivo.

Foi dia também de ver a norte-americana Simone Biles voar na ginástica artística. A maior atleta da modalidade voou tão alto, que saiu da área do solo e acabou tendo um desconto em sua nota, mas ainda no páreo das medalhas. As brasileiras fariam sua participação mais tarde, em outra rotação das equipes.

No tênis de mesa, enquanto Gustavo Tsuboi passou pelo romeno Ovidiu Ionescu por 4 a 1, Bruna Takahashi perdeu para a francesa Jia Na Yuan por 4 a 0.

No boxe,  Wanderson de Oliveira derrotou Wessan Salamana, que compete pelo grupo de atletas refugiados, e avançou para as oitavas de final do torneio olímpico.

Por fim, a Seleção Brasileira empatou sem gols com a Costa do Marfim na segunda rodada do futebol masculino e agora define a classificação na quarta-feira.

Veja como foi a madrugada

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895