Pandemia pode gerar prejuízo de 14 bilhões ao futebol mundial, diz FIFA

Pandemia pode gerar prejuízo de 14 bilhões ao futebol mundial, diz FIFA

Entidade aponta a estimativa devido as interrupções no calendário, estádios vazios e perdas de direitos televisivo

Por
AFP

Em estudo publicado em julho, a união europeia de clubes estimou o impacto de 4 bilhões de euros


publicidade

A pandemia de Covid-19 pode gerar um prejuízo de 14 bilhões de dólares ao futebol e já levou mais de 150 federações a solicitar a ajuda da Fifa, informou nesta quarta-feira Olli Rehn, vice-presidente do comitê de governança da entidade que rege este esporte. Entre interrupções no calendário, estádios vazios e perdas de direitos televisivos, esta estimativa "cobre toda a economia do futebol" nas 211 associações filiadas à Fifa, incluindo treinos e categorias inferiores, explicou o finlandês à imprensa.

Sem entrar em detalhes, Rehn especificou que o futebol sul-americano "sofreu bastante" em um continente que foi duramente atingido pela pandemia, embora "em termos absolutos" a Europa tenha sofrido perdas mais substanciais.

"Mais de 150 associações-membro" solicitaram o plano de ajuda anunciado no final de junho pela Fifa, dotado de 1,5 bilhão de dólares em doações e empréstimos, continuou o executivo, que é governador do Banco Central da Finlândia e ex-vice-presidente da Comissão Europeia.

Esta ajuda "não é limitada no tempo" e visa permitir às federações "superar esta crise" a longo prazo, acrescentou Rehn. "A demanda por doações é muito forte", superando a dos empréstimos, enquanto a Fifa planeja conceder até 1,5 milhão dólares para cada associação membro e até 2 milhões para cada confederação.


Num estudo publicado no início de julho, a união europeia de clubes ECA estimou o impacto econômico da Covid-19 nas receitas dos clubes europeus em 4 bilhões de euros (4,747 bilhões de dólares), calculado para as temporadas 2019-20 e 2020-21. "Muitos clubes estão colocando sua existência em risco", destacou Andrea Agnelli, presidente da Juventus e da ECA, na semana passada.