Paris revela rosto feminino como o primeiro logo unificado dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos
capa

Paris revela rosto feminino como o primeiro logo unificado dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos

Eventos de 2024 terão o mesmo símbolo, uma imagem formada a partir da medalha de ouro, da chama, e de Marianne, a personificação da República Francesa

Por
Eric Raupp

Imagem substitui a Torre Eiffel estilizada usada durante a fase de candidatura e até então

publicidade

Quebrar paradigmas. Foi com esse objetivo que o comitê organizador dos Jogos Olímpicos e Paroalímpicos de 2024 (Cojo), em Paris, apresentou nesta segunda o logo para os eventos. Pela primeira na história, as competições compartilharão o mesmo símbolo e, também pela de forma pioneira, este terá feições de uma face. A marca foi criada a partir de três elementos - a medalha de ouro, a chama, e Marianne, a personificação da República Francesa surgida durante a Revolução de 1789 - para ser "um rosto e colocar o humano no coração dos Jogos". 

O design circular, no estilo art déco, remete a 1924, quando Paris sediou os Jogo pela última vez. "Este logotipo quebra códigos porque, com Marianne, confirma o toque revolucionário do nosso projeto. Como queremos jogos inovadores", explicou Tony Estanguet, chefe do Cojo, durante o evento de lançamento. Além disso, ele afirma que o evento buscará a paridade de gênero em termos de participação, lembrando que a arte acena também para a edição de 1900 da competição, a primeira a ter mulheres atletas e realizada justamente na capital francesa. Antes, apenas os Jogos Paraolímpicos de Atenas haviam estilizado um rosto.

Assim, o comitê abandonou o provisório desenho da icônica Torre Eiffel acompanhado do nome da cidade em uma fonte estilizada usado durante a candidatura. "Quando éramos candidatos à organização dos Jogos, queríamos um emblema reconhecível globalmente, característico de Paris e com uma imagem positiva da França", explicou, para justificar a escolha então do tradicional ponto turístico. "Nossos problemas são diferentes hoje e escolhemos um emblema que conta nossa visão para esses jogos. Jogos mais abertos, mais participativos. Jogos onde todos podem desempenhar um papel, onde o espectador também é um ator. Jogos para viver emoções juntos e deixar um rastro duradouro nas memórias e nas vidas", avaliou.

Um vídeo postado pelo comitê do evento nas redes sociais explica o conceito. "Meu rosto nasce da união de três símbolos. A medalha de ouro, inalterável como a vontade, tão brilhante quanto o talento, eterna como a vitória. A chama Olímpica e Paralímpica, que reúne os valores do esporte através das fronteiras, nações, gerações, que anima mais criativa. Marianne, que carrega a demanda de progresso para todos, cujo espírito francês revela uma ambição, a de igualdade, compartilhamento, generosidade", diz o narrador na sequência de imagens.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, classificou a arte como "muito bonita" e disse que "é bom ter algo muito feminino". "Pela primeira vez, estamos indo diretamente para o gênero e o lado feminino. Também é uma grande promessa reunir os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. Continuaremos trabalhando. Paris obviamente estará muito presente durante o prazo de Tóquio 2020. Já trabalhamos muito desde a designação em Lima, criamos o comitê organizador (Cojo) e o Solidéo, estrutura encarregada de fornecer o equipamento, que eu presido", disse. A chefe do Executivo da Cidade Luz afirmou ainda que mantém "a promessa de oferecer Jogos ecológicos e inclusivos".