Premiê chama de "histeria antirrussa" decisão de privar país das Olimpíadas

Premiê chama de "histeria antirrussa" decisão de privar país das Olimpíadas

Dmitry Medevedv defendeu que governo apele da medida

Correio do Povo

Premiê se reuniu com ministros nesta segunda

publicidade

A decisão desta segunda-feira da Agência Mundial Antidoping (Wada) de proibir atletas russos de participarem de Jogos Olímpicos e campeonatos mundiais por quatro anos é uma manifestação contra país, afirmou o primeiro-ministro russo Dmitry Medevedv, citado pela agência estatal TASS. "O fato de essas decisões continuarem se repetindo e geralmente se aplicarem aos atletas que já foram punidos dessa ou daquela maneira, obviamente faz pensar que é uma continuação da histeria antirrussa que já se tornou crônica", afirmou. 

O primeiro-ministro acredita que as organizações do país devem recorrer da medida. "Acredito que as organizações responsáveis ​​por isso, quero dizer as organizações russas que lidam com essas questões, devam ponderar sobre contestar essa decisão", disse ele em reunião com vice-primeiros-ministros. A Rússia pode recorrer dentro de 21 dias. Em 10 dias, seus participantes anunciarão se o país entrará com uma ação no Tribunal de Arbitragem do Esporte em Lausanne.

Contudo, reconheceu que o esporte no país enfrentou alguns problemas de doping. "Recentemente, eu disse em uma entrevista que, ainda existem problemas consideráveis ​​com o doping. É impossível negar isso", disse Medvedev.

O chefe da Agência Russa de Antidopagem (RUSADA) Yuri Ganus chamou as novas reivindicações da WADA de "tragédia", sugerindo que oficiais influentes do esporte encomendassem mudanças na base de testes de doping para proteger a reputação dos ex-atletas agora em altas posições. Ele disse que recorrer não era promissor, ao mesmo tempo em que acrescentou que o processo provavelmente será aberto para que as autoridades esportivas russas possam defender sua posição.

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895